.Art.13º, n.º da Constituição

"Ninguém pode ser privilegiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça,língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual"
Domingo, 30 de Dezembro de 2012

O Menino do Kamasutra - parte I

kamasutra homo - nelson camacho

    Tinha acabado de jantar e preparava-me para me debruçar sobre o teclado para continuar mais um capítulo do livro que tenho entre mãos ou seja entre dedos no teclado quando tocaram à porta. Deixei tocar pois não estava virado para receber visitas pois tinha em mente a saga daquele capitulo que nunca mais saia da mona.

    Passado meia hora a campainha voltou a tocar. Como tinha a luz de presença na entrada de casa acesa e para que não dissessem quem quer que fosse que não queria atender, lá fui.

    Estava vestido com um robe branco que quem me conhece quer dizer que tinha algum amigo em casa, mas não, estava sozinho e pronto a atacar a escrita. Desci as escadas e fui abrir a porta. Era um amigo com uma garrafa de champanhe na mão e vinha com a ideia de passar umas horas de desaforo comigo. Olhou-me de alto a baixo e vendo como estava vestido atirou:

      - Estás acompanhado!

    Eu podia dizer que não, ele entrava, bebíamos uns copos e íamos praticar cenas de Kamasutra, mas não, não me apetecia e confirmei o estar acompanhado e o coitado lá se foi embora. Momentos de Kamasutra ficaram para outra altura.

    Ao mesmo tempo tive pena mas este meu amigo tem a mania de vir sem telefonar e ontem não me estava mesmo a apetecer brincadeiras. Tinha na mona a sequencia do tal capítulo de meu novo livro e não queria perder.

Voltei para o meu canto de escrita, liguei a máquina de café e atirei-me ao teclado.

 

    Quando dei por mim, já tinha bebido uns quatro cafés, completado o tal capítulo e o sol timidamente começava a entrar pela janela, mas eram sete da manhã e o tabaco já tinha acabado. Comecei a reler o que tinha escrito mas não estava com mais paciência para a escrita e faltava-me o tabaquinho. Desliguei o computador e quando passei pelo corredor olhei para o quarto que estava vazio e lembrei-me que tinha dado o nega ao Mário.

    Deu-me um arrepio espinha acima, vesti-me de forma casual, e fui até ao café que já estava aberto aquela hora para comprar tabaco e tomar o pequeno-almoço.

    Quando transportei a porta do café dei de caras com um moço de cor que com o ar mais sorridente deste mundo mostrando uns dentes brancos alvos que contratavam com a cor da pele me deus os bons dias. Ele não era bem preto mas sim um pouco amulatado.

    Como é terça-feira, dia de jogar o euro milhões pedi uns cupões e fui tomar a refeição para a esplanada que é coberta e onde se pode fumar.

    Estava debruçado sobre o meu afazer e convicto que hoje iria ter sorte quando o tal jovem se me dirigiu e perguntou se lhe emprestava depois a minha caneta para também ele preencher os cupões do euro milhões.

      - É para já! Tenho aqui outra! Podes-te sentar aqui! Disse eu.

      - Posso?

      - Certo! Assim até podemos trocar ideias sobre este tipo de jogo que está aberto a todos mas não é para todos.

      - De facto nem tudo o que está aberto a todos nem a todos calha.

      - Pois! É a vida! Por vezes olhamos para alguém que em princípio seria de todos mas que não temos acesso.

      - Está a falar de quê! Já agora.

    Naquela altura nem eu mesmo estava a compreender o que tinha dito. Certamente a minha mente estava a virar-se para o meu amigo Mário que horas antes o tinha mandado dar uma volta. Os meus neurónios começaram a fervilhar e atirei.

      - Estou a falar dos relacionamentos entre pessoas. Por vezes a nossa mente manda ter uma atitude mas o decoro e a sociedade, priva-nos de nos abrirmos completamente com essa pessoa.

      - Não me diga que hoje encontrou essa pessoa?

      - Se tens um espírito aberto para aceitar tudo o que te possam dizer, talvez!

      - Já vi que você é que tem um espírito aberto e quando lhe convém, vai logo a fundo com a questão. Parece ser uma pessoa letrada. O que faz?

      - Eu?... Sou escritor nas horas vagas e nas outras, trabalho no meio artístico.

      - Não posso! Sabe! Eu também me dedico à música, faço umas músicas e letras.

      - Já agora gostava de lhe mostrar as minhas coisas. Se quiser dar-se ao trabalho pode ir a minha casa e mostro-lhe. Já agora, chamo-me Jorge e você?

      - Eu chamo-me João

 

    O raio do mulatinho além de ser giro e sempre sorridente mostrando aqueles dentes alvos e beiços carnudos com vontade de serem beijados fez-me estremecer de alto a baixo e comecei a pensar não só com a cabeça de cima como a de baixo que já estava a dar estremeções como a dizer – válá caçador, tens aqui um frango – Para não ser enganado perguntei.

      - Não me digas que também tens um canto em tua casa onde escreves e tocas. Que idade tens?

      - Tenho dezanove anos, onde escrevo e toco é no meu quarto que é um anexo á vivenda dos meus pais para não chatear o resto da família.  Quem lá vai pode estar à vontade que ninguém me chateia.

      - E teus pais que fazem? Para terem uma vivenda a coisa não deve correr mal.

      - Felizmente somos pessoas de bem. O meu pai é adido numa embaixada e minha mão é tradutora e não tenho irmãos. Que queres saber mais?

      - Não! Nada! é que nesta terrinha é difícil conhecer tipo como tu.

      - Pois, cada um é como cada qual e não tenho a culpa de ter nascido preto.

      - Epá! Desculpa lá mas não foi à cor que me estava a referir. Alias não és preto.

      - Pois normalmente a malta de cor ou anda nas obras ou outras profissões. Eu sou o que vocês chamam “O menino da mamã”.

      - Pois Menino da mamã ou não, és bastante simpático e digno de fazeres parte do meu núcleo de amigos.

      - Bem! Sempre vais a minha casa para ver os meus gatafunhos e musicas que faço?

      - Mas agora?

      - Sim porque não? Não é de manhã que se começa o dia? Hoje não vou à escola e podemos curtir.

    Afinal de contas com aquela conversa toda o caçador estava a ser ele. Ainda não tinha adivinhado o que iria acontecer, mas sinceramente embora não tenho dormido naquela noite estava-me a apetecer brincadeira.

    Entregamos os cupões do euro milhões, pagamos as despesas que o Jorge se prontificou a pagar e fomos de abalada.

    Como eu tinha ido a pé até ao café e o Jorge tinha levado o carro, fui à boleia.

    Só pelo carro via-se logo que era gente de posses pois o carrito nada mais era que um Chevrotet. Quando chegamos a casa confirmei ser um menino da mamã, não só pelo tipo de carro como o estadão da vivenda de dois andares, com jardim, piscina, casa de apoio e um anexo que nada mais era que uma pequena vivenda térrea, para onde nos dirigimos, depois de ter guardado o carro numa garagem onde estacionava mais um e com espaço para outros dois ou três.

    O anexo era um espaço composto de um salão ai com uns cem metros quadrados onde existiam um bar, um canto de escrita com o computador, uma zona de música com um piano, uma bateria, uma guitarra eléctrica uma de fado e respectiva aparelhagem de gravação.

      - É aqui onde me entretenho a fazer as minhas musicas e a gravar. Não é propriamente um estúdio, mas serve.

    O resto do salão era dividido por sofás, mesinhas de apoio e uma cama redonda onde ao lado numa parede existia uma porta que condizia para a casa de banho, segundo depois vim a saber. Ao lado do bar também existia uma porta de vai e vem que condizia com o resto da casa e a cozinha.

    Com tudo isto poderia dizer-se que tinha entrado na casa de sonho de qualquer solteirão pronta para receber seus amigos e eu estava a ter esse privilégio.

       - O que queres tomar? - Disse o Jorge.

       - Não sei bem! A esta hora da manhã, talvez algo para acordar bem.

       - Talvez, um Licor Beirão com uma pedra de gelo! É o que está na moda.

       - Tá bem!

 

Kiss Gay O Caçador

    Ele fez dois copos, foi até à zona do estúdio e colocou um CD com um tema de Chopin. O som começou a sair de duas colonas estrategicamente colocadas dos lados na parede sobreposta à cama, ao mesmo tempo que um pequeno projector incidia sobre a mesma apagando-se todas as restantes luzes do espaço. A luz projectada ia incidir sobre a cama com uma tonalidade fosca dando ao ambiente uma zona semi-escura convidando a praticar-se experiencia do Kamasutra.

    Ao mesmo tempo que me entregava o copo com o licor foi dizendo:

      - Parece-me que por ali estamos mais à vontade e encaminhou-se para a zona onde se faz amor.

   Eu não só estava perplexo com tudo aquilo como começava a sentir algo estranho pelo meu corpo, mais propriamente dito no pau que estava a começar a inchar.

    O Jorge enquanto se encaminhava para aquela zona, ia-se despindo até ficar somente com uns boxers. Como não sou parvo e já estava a ver no que aquilo iria acabar, também me fui despindo, acabando por ficar somente com uma torce.

 

Gaye em movimento sexual

    Quando chegamos à cama, acto contínuo nos abraça nos beijamos e nos atiramos como para uma piscina. Porra! O colchão era de água e ficamos envolvidos por um turbilhão que nos apertava ainda mais.

    Fiquei por baixo e ele começou me beijando o peito ao mesmo tempo que uma das mãos se dirigia ao meu pénis que já se encontrava em sentido. Manuseou-o um pouco e retirou-o cá para fora ao mesmo tempo que fazia o mesmo ao seu. Ficamos totalmente em pelota e roçando um no outro. Subiu mais um pouco e veio até minha boca beijando-me sofregamente num beijo de troca de salivas.

    A minha cueca e o boxer dele já estavam no chão e nossos corpos se gladiavam como a tentar cada um entrar no outro como se fora um só.

    Jorge, novamente desceu com beijos pelo meu corpo até ao pau metendo-o em sua boca e apertando suavemente com seus lábios e num movimento constante dando-me a sensação de estar a penetrar numa vagina virgem.

    Durou algum tempo até me estar avir. Quando ele notou o que iria acontecer pelos meus movimentos, retirou daquela posição, subiu novamente pelo meu corpo e seu pénis longo foi parar à minha entre pernas que eu apertei ao mesmo tempo que o meu roçava em sua barriga.

     A loucura estava a acontecer e num acto irreflectido ou não criando o centro da cama como o fulcro dos nossos corpos, nos virámos e ficamos na posição de sessenta e nove abocanhando mutuamente nossos pénis num sôfrego tão grande que passados alguns instantes sentimos jactos de fluido carregados de espermatozóides que desta vês não iriam fazer nada para a procriação da espécie.

     Derrotados e cansados, voltamos à posição normal e adormecemos um pouco.

    Já era meio-dia quando acordámos.

      - Bom dia

      - Bom dia também para ti.

      - E agora! Que vamos fazer?

      - Vamos tomar um duche, o pequeno-almoço e como tenho hoje uma entrevista na TV para um novo trabalho encontramo-nos logo à noite se quiseres.

      - Fico à tua espera para continuarmos o que ficou a meio. Estás de acordo.

      - Completamente! Onde nos encontramos?

      - Aqui em minha casa como é óbvio! Vais ter um jantar de gourmet à tua espera.

    Foi com este diálogo e depois de tomar o tal duche, que nos beijamos com promessas de eu voltar para reiniciarmos o que tinha ficado a meio e iniciarmos em novo amor.

                                                                                                        CONTINUA»

 

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência. O geral ultrapassa a ficção.

 

Nelson Camacho D’Magoito

           (O Caçador)

“Contos ao sabor da imaginação”

        de Nelson Camacho

sinto-me:
a música que estou a ouvir: Fantasia de Chopin
publicado por nelson camacho às 21:02
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Paulo a 31 de Dezembro de 2012 às 11:00
Ola mais uma vez. Gostei muito do teu ultimo conto, fico a espera do resto da historia que promete ser muito excitante. Ja agora um bom fim de ano.


De nelson camacho a 24 de Janeiro de 2013 às 08:27
Amigo Paulo. Já foi ublicado a Parte II. Obrigado pelos desejos de Bom fim de Ano. e obrigado por me ler.


De Mauer a 18 de Agosto de 2013 às 13:56
Eu so hetero mas apeteceu me ler algo ecentrico, nao sei o que pensar mas valeu a toda comunidade gay


De nelson camacho a 20 de Agosto de 2013 às 03:50
Meu caro Mauer Ainda bem que gosta de vez em quando ler algo excêntrico e assim veio aqui parar. O facto de se assumir como hetero , isso é coisa que só a si respeita. acha que valeu a pena ler-me, ainda bem é que quando escrevo as minhas histórias não estou a pensar a quem são dirigidas, constato simplesmente que o que conto são exemplos do que se passa na realidade, sejam hetros ou gays. Por exemplo nesta altura está a sair uma história sobre um casal hetro . Diga-me só já pensou que nesta história o que aconteceu com dois homens podia ter acontecido consigo e com uma mulher? Um abraço e continue a ler-me e a comentar. è sempre bem vindo. NC


De Lucimara a 6 de Julho de 2014 às 19:35
puxa que historia


De Blogger23anos a 29 de Dezembro de 2015 às 20:55
Se alguem gostar de histórias romanticas gay este é o meu blog http://historiasgaybempensadas.blogspot.pt/


De Henrique a 26 de Julho de 2016 às 20:13
Olá!

Represento o site Disponivel.com, o maior site de relacionamentos voltado para o publico gay do Brasil. Entro em contato para convidá-lo a fazer parte do nosso time de afiliados!

Por que não utilizar os espaços que possui em seu site/blog para gerar uma renda extra e assim aumentar também a sua visibilidade na rede?

Ao se cadastrar você irá receber 30% do valor da compra feita pelo usuário, e isso ocorre todas as vezes em que ele renovar a assinatura. Todas as assinaturas são comissionáveis.


Portanto não perca tempo, acesse o link abaixo, cadastre-se e venha se juntar a nossa equipe!

http://disponivel.uol.com.br/afiliados/


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eles eram dois – I Capítu...

. Eles eram dois – II Capit...

. Menino rico e menino pobr...

. A Masturbação

. Até quando homofóbico – I...

. A Minha prenda de Natal –...

. A Minha prenda de Natal –...

. O meu primo de Lisboa

. Não beijo!.. e você já be...

. Os Motas – II Capitulo

.arquivos

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.Já cá vieste!

counter

.Olha que está na hora

relojes web gratis

.ALERTA - Aos amigos que me lêem

Este Blogue é constituido por histórias Homo-Eróticas dedicadas a MAIORES de 18 anos. Os homossexuais também têm sentimentos, sofrem, amam e gozam a vida como qualquer outro sejam activos, passivos ou Flex (versátil). As fotos e videos aqui apresentadas foram capturadas da internet livres de copyrigt. Quanto aos textos, são de minha inteira responsabilidade ©. Não faça copy sem mencionar a sua origem. Tenham uma boa leitura e não se esqueça que o geral ultrapassa a ficção. Comente dem medos e não tenha preconceitos.
blogs SAPO

.subscrever feeds