.Art.13º, n.º da Constituição

"Ninguém pode ser privilegiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça,língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual"
Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

Ela tinha um filho II

Ela tinha um filho II

O Filho

 

Continuação da história anterior

“ Ela tinha um filho I “

 

Seriam para aí umas dez da manhã, levantei-me, e fui fazer o pequeno-almoço. – Não sou lá muito bom em mexer na casa dos outros, mas como tinha fome e embora a minha primeira ideia, fosse pirar-me dali, lá me desenrasquei, e tomei mesmo o pequeno-almoço.

Depois fui até à sala olhei para todo o lado, senti-me confortável e em vez de me pirar procurei um CD de determinada música que eu não tinha e que gostava. - Podia ser que ela tivesse. Procurei e não encontrei, então dirigi-me ao quarto do Jorge (era assim que se chamava o puto).

 

Bati à porta e lá de dentro, ele respondeu prontamente:

- Entra a porta está aberta.

De facto a porta só estava encostada, entrei, disse-lhe que a mãe já tinha saído para a loja, que tratasse com ele o almoço, e ao mesmo tempo perguntava-lhe se tinha o tal determinado CD, pois eu ficaria por ali até ela voltar.

Jorge estava na cama somente meio tapado com um edredão daqueles de penas muito leves que quando nos deitamos nus o seu roçar pelo nosso corpo nos dá uma pica do camandro, (pelo menos a mim dá-me) estava meio dobrado e lendo uma revista, (que mais tarde vi ser pornográfica).

Olhou para mim e sem aquelas, disse:

- Minha mãe só vem lá para as seis da tarde, o que achas se nos aquecermos um pouco os dois? Tira o roupão para ver se ela tem bom gosto.

 

Aquilo era demais para mim, de repente meu pau aumentou de volume, deixei cair o roupão na alcatifa, aproximei-me da cama, afastei toda a roupa, pus-me em cima dele e beijando-o, fui subindo e meti meu pénis rijo na sua boca.

Jorge começou por passar sua língua pela cabeça já molhada e que se movimentava naquela boca quente. Ele acariciou-me os testículos e fui aumentando o ritmo até sentir o orgasmo eminente. Nesse instante tirei meu pénis daquela boca quente.

- Não tires agora! – Pediu Jorge agarrando meu corpo e voltando a meter meu pénis na sua boca.

- Tenho de parar estou quase a vir-me. Disse eu.

-Vem-te na minha boca – disse-me, sem parar de acariciar meus testículos.

- Parece que não estamos a fazer a coisa certa! – Disse eu meio constrangido mas ao mesmo tempo gozando à brava aquelas cenas de comer a mãe e comer o filho.

- Quero-te meu amor, quero que te venhas na minha boca -  mais tarde faremos outras coisas, vais ver que te dou mais gozo que minha mãe.

Eu sentia o calor delicioso dos lábios que percorria o pénis fazendo-o vibrar. Ficou cada vez mais rijo, agarrei-lhe a cabeça puxando-a cada vez mais a fim da minha picha penetrar ainda mais fundo. Jorge chupava-o com força e a cabeça do meu pénis ia ficando cada vez maior. Começou a tirar e a meter a tirar a meter, acabando por entrar num tempo rítmico. A rapidez de movimento transformou-se em violência e depois em loucura, até que finalmente me vim com espasmos e contorcendo todo o meu corpo de prazer e loucura. Jorge não perdeu uma única gota de esperma até meu pénis ficar seco. Quando lho retirei da boca, todo eu estremecia e mais uma vez fiquei exausto.

Jorge virou-se para mim e disse:

- Não penses que isto vai ficar assim, vou fazer de ti o meu amante predilecto e quando voltares a entrar nesta casa, as noites podem ser com minha mãe mas os dias serão sempre meus. Dar-te-ei tanto prazer que acabarás por me quereres só a mim.

Aquela situação era de mais para mim, eu devia estar louco como os anjos, pois já não tinha idade para aquilo.

Jorge puxou o edredão e tapou-nos, depois de se colocar de costas para mim.

Uma hora, talvez tenha sido muito o tempo que passei pelas brasas.

Acordei ainda naquela posição e com o Jorge a agarrar no meu pénis, movimentando-o ao mesmo tempo que ia movimentando a cu ao mesmo tempo que pedia que o penetrasse. O meu cérebro começou a dar faíscas e ao mesmo tempo que o ia abraçando e dando-lhe uns beijos nas costas, verificava que sua pele tinha um cheiro especial fresca, doce e muito mais apetecível que da mãe.

Meu pau começou a levantar-se e ficando hirto e firme como os soldados de honra que estão à porta do palácio da rainha de Inglaterra. Os meus neurónios não paravam até que o Jorge não parava de me masturbar, e tentando meter meu pau daquele cuzinho que comparando, também seria muito mais apertadinho que o da sua progenitora. E era mesmo! Já não podia mais de tanto gozo, uma das minhas mãos foi até do dele que também estava em ponto, e suavemente enquanto o ia masturbando ia-o penetrando com a minha caça linda. Jorge movimentou-se mais um pouco e entre um ou outro ai, indo dizendo para meter de vagar pois era a primeira vez. Eu com a minha treta toda, fui dizendo que metendo a cabeça, o resto era só empurrar. Assim foi, penetrei-o de vagar até sentir as suas bebas nos meus tintins. Entrando naquele jogo do mete e tira ao mesmo tempo que o masturbava meu esperma lá foi saindo convulsivamente enquanto ia sentindo o seu na minha mão. Gememos, demos alguns gritinhos de prazer. Só tirei meu pau de dentro daquele amor que me tira aparecido de mão beijada quando começou a murchar. Virámo-nos, beijámo-nos como dois loucos e ali ficámos adormecendo um pouco.


  

 Chegou a hora do almoço, acordámos, beijámo-nos novamente como dois amantes inebriantes, conversámos um pouco sobre a situação, que não vem ao caso e resolvemos ir almoçar fora.

 

 

 

Ele tinha razão, não voltei a ver a mãe mas durante um tempo, fui lá a casa às escondidas só para fazermos amor.

 De facto, troquei a mãe pelo filho. ☺

 

 O Caçador

                                   

sinto-me: Feliz mais uma vez
a música que estou a ouvir: Sonho de amor
publicado por nelson camacho às 00:54
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 6 de Maio de 2008

Ela tinha um filho I

Ela tinha um filho, e que filho I

O encontro

 

Há momentos na vida, não se sabe bem porquê, que deparamos com as situações mais inesperadas principalmente quando se trata de sexo.

Um dia, numa festa VIP, em que é presença habitual gente bem e outra não tanto, que são os penetras, há sempre alguém que por fora são uma coisa e por dentro outra, vivendo uma vida dupla e ninguém é de ninguém, que conheci a Cármen.

A Cármen era uma rapariga que frequentava o Jet-Set sempre acompanhada por um filho ai para os seus dezoito anos que normalmente se metia a um canto, pois não haviam outros da sua idade.

Rapariga divorciada, bastante atraente e com uma beleza estranha. De aparência nova, muito bem vestida e decotada, tanto na frente por onde se vislumbrava a metade dos seus seios rijos e apetitosos, nas costas o decote ia até à cintura não se visualizando qualquer traço de alças ou soutiens.

Dava de tal forma nas vistas que todos os homens reparavam nela, mas eu fui talvez o mais atrevido.

Peguei num copo e dirigi-me a ela: - Não nos conhecemos já? Perguntei! Olhou para mim de alto a baixo e disse: - só se for da televisão, não sendo actriz, de vez em quando faço “umas pontas” em telenovelas e você? Quem é?

Eu não podia dizer que era uma grande vedeta, pois já tinha passado o meu tempo e fiquei-me por dizer que também fazia alguma figuração especial em filmes estrangeiros e ultimamente menos em telenovelas.

Eu sou a Cármen! Disse ela. Eu sou o Nelson, adiantando por graça, se não era a Cármen da ópera de bizet. – Rindo-se, não, não sou a de bizet mas olhe que tenho uma vida muito parecida. – Pelo menos não morreu de amores como a dita. É uma das óperas que mais adoro, talvez por já ter cantado nos coros do São Carlos nos tempos idos e mais recentemente ter feito figuração especial numa companhia alemã que veio a Portugal dar dois espectáculos no Pavilhão Atlântico. - Há! Disse ela, então você é uma pessoa ligada à música e só pode ter bom gosto. – Bom gosto é o que não me falta! Eis a razão porque me meti consigo. – Lisonja sua retorquiu ela, você deve é ser mais um dos machões engatatões que aparece nas festas mortinho por levar alguma menina para a cama.

- Cármen, não tenha esse conceito de mim, assim de ânimo leve, olhe que até nem gosto de menininhas que têm a mania que já são mulheres, prefiro mulheres mais adultas pois têm mais experiência da vida e não são malucas à procura de poiso certo tanto monetariamente como socialmente.

- Não há dúvida que você tem uma grande conversa, mas tudo bem, isto aqui está uma pasmaceira mas sempre vamos conversando.

- De facto isto não dá nem para começar, andam todos a fazerem-se aos fotógrafos a ver se aparecem numa das revistas como eu digo, do diz que disse. E se fossemos até um bar mais calmo para começarmos a conhecermo-nos melhor?

- É boa ideia, vou só tentar encontrar no meio desta multidão o meu filho e dizer-lhe que vá de táxi para casa.

- Não sabia que tinha um filho?

- É verdade mas já lhe conto.

Enquanto a minha nova amiga ia procurando o rebente, que na altura, não conhecia nem sabia a sua idade, fui dando voltas aos neurónios e a minha bi-sexualidade estava a dar um nó e o machão que há em mim, estava já pronto ao ataque, o que queria naquela altura era vir-me, pois o cacete já estava a dar saltos.

O Caçador já estava è espreita e esperava por uma noite bem passada, e só isso, mas as coisas complicaram-se.

Entretanto a Cármen voltou toda sorridente dizendo que já tinha resolvido o assunto e podia-mos ir até ao tal bar.

Saímos e fomos até um dos bares com música ao vivo que existem ali para as docas.

Tivemos um pequeno problema para saber em que carro iríamos, como bom cavalheiro, prontifiquei-me em levar o meu mas ela insistiu. – Sabe? Não gosto de ser conduzida por outras pessoas e o melhor, é deixar o seu, e mais tarde passamos por aqui.

Assim foi, o segundo problema estava resolvido.

 

 

Quando chegámos, fomos logo para o quarto, atirámo-nos para cima da cama e fomo-nos despindo, enquanto nos beijávamos. Ela já estava toda nua, tinha um corpo esbelto, tudo no sítio, aquelas mamas nem grandes nem pequenas pediam que as aperta-se lado a lado e criasse um rego como o de um ânus se tratasse e ali metesse meu pau que já se encontrava hirto e duro, como diz o outro, e lambuzasse seus seios.

A visão daquele corpo era algo de belo, e naquele triângulo perfeito e escuro desenhado na pele bronzeada adivinhava-se uns lábios de apetecer trincar.

Também já tudo nu, fui até aquele triângulo apetitoso e já molhado, metendo os dedos entre os lábios genitais acariciando-lhe o clítoris. Ela agarrou-me a cabeça com mais força e inclinou-se para a frente para a frente, enquanto eu metia um dos mamilos na boca, chupando-o com a ponta da língua. Percorri minhas mãos pelo seu corpo e encontrei a abertura da vagina, com o dedo indicador penetrei-a lentamente, iniciando um movimento de rotação e de gozo dentro dela.

Depois de algum tempo a mamar naquele clítoris que mais parecia uma picha das pequeninas, fui subindo seu corpo, parei nos bicos das mamas, apertei-as e minha língua foi linguarejando aquele canal que se formou entre as duas tetas, Cármen guinchava de prazer, puxou-me pela cabeças e nos beijamos ardentemente, meu pénis, rijo como uma pedra, foi penetrando por aquela vagina que ela a contraia para dar a impressão que estava apertadinha, mas não conseguia, era tipo “Arco da rua augusta”, onde todo o mundo já tinha entrado, mas naquele momento estava-me nas tintas. Queria era vir-me. Minhas mãos saltaram-lhe para as tetas apertando-lhe os bicos e beijando aquele rego entre mamas.

 De repente ela com as duas mãos foram puxando minha bebas para que enterra-se o mais possível meu pénis em sua vulva pulsante de prazer, ao mesmo tempo, com um dedo anelar começou a deambular meu buraco do cú até que o meteu todo. Gritei de prazer e comecei a bombear mais freneticamente aquela vagina saborosa.

Julgando ela que o meu grito tinha sido de dor e não de prazer, perguntou-me:

- Aleijei-te? Nunca tinhas experimentado? Todos os homens com quem tenho relações gostam e tem prazer! E tu?

  Eu não podia dizer que meu cú já estava habituado até a outras coisas melhores, quanto mais a dedos de mulher, e respondi:

   - Não, simplesmente é estranho, doeu um pouco mas o meu pau ficou mais grosso ainda, agora gostava de experimentar também o teu cú, não com o dedo mas com minha picha que vais gostando.

- Mas não é necessário pedires, fode-me como quiseres sou toda tua, tu és ó homem que há muito esperava.

Tirei minha picha daquela cona sedenta, agarrei-lhe as pernas, afastei-as e mesmo ali de frente meu pénis lá foi à procura daquele cú de bebas apertadas que com minhas mãos ainda mais apertava para que tudo se realizasse a contento. Meu pau sentia o aperto daquele cú de mulher e ela sentia meu pau por ali acima. Seus dedos foram à vagina e enquanto eu me vinha loucamente ela ia-se masturbando. Assim, atingimos o clímax total.

Eu já nada mais pude fazer, deitei-me para o lado como o coelha faz quando vai ao pito da coelha e adormecemos.

Seriam umas oito da manhã quando o despertador tocou, acordei e verifiquei que ela estava deitada em concha com o cu encaixado na minha frente e certamente inconscientemente o meu pau estava teso que nem um carapau, movimentei-me de forma tentar meter-lhe e cabecinha naquele buraquinho. Ele mexeu-se, voltou-se para mim e disse que era hora de se levantar, pois tinha de ir abrir aloja. Assim fez. Levantou-se e foi direita ao banheiro, e eu fiquei ali com uma tesão dos diabos. Quando voltou, trazia o corpo envolto numa toalha grande assim como o cabelo, começou a vestir-se enquanto ia dizendo que eu podia ficar até ela voltar, que tomasse o pequeno-almoço e lá para a uma da tarde fosse acordar o filho para combinarem o almoço, pois só voltaria lá para as seis da tarde.

Veio junto a mim, deu-me um beijo, apalpou-me a gaita, riu-se, afastou-se e enquanto se afastava foi dizendo para eu descansar e retemperar as forças para a noite.

 

 

 

 

 

Assim fiz! Peguei numa revista e comecei a ler.

 Seriam ai umas dez da manhã, já estava farto da leitura e com alguma fome, levantei-me e fui tomar um duche.

 

 

 

 

 

 

 

Bem, o que aconteceu a seguir, você só pode saber se ler o meu post seguinte Ela tinha um filho II “

 

                                        

O Caçador

(O próximo episódio é especial)                                     

sinto-me: bem, bem,bem
a música que estou a ouvir: A Mulher do Outro
publicado por nelson camacho às 05:20
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 5 de Maio de 2008

Publicidade Gay

                                       Um manipulo com utilidade 

 

     De vez enquanto dou uma volta nos blogs do mundo e encontro anúncios de facto interessantes, assim, encontrei um que me despertou a atenção (não que vá comprar a correr, pois estou muito bem servido) mas para os mais distraídos e com necessidades aqui fica a dita publicidade encontrada em WWW.baboseiras.com.br

O anúncio fala na “meninada” mas também dá para os “meninados”

 

      É verdade, há uns tempo que não venho aqui debitar algumas histórias, mas preparem-se que elas estão a chegar "fresquinhas". Uma, está mesmo a sair e é contada em duas partes.

       É daquelas que primeiro vou para a cama com a mãe e depois...............

      A propósito! Não mandem só e-mailes façam comentários directos e não se escondam, pois a vida é uma treta.

 

     O Caçador

 

sinto-me: Completo
a música que estou a ouvir: Encontrei finalmente
publicado por nelson camacho às 20:11
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eles eram dois – I Capítu...

. Eles eram dois – II Capit...

. Menino rico e menino pobr...

. A Masturbação

. Até quando homofóbico – I...

. A Minha prenda de Natal –...

. A Minha prenda de Natal –...

. O meu primo de Lisboa

. Não beijo!.. e você já be...

. Os Motas – II Capitulo

.arquivos

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.Já cá vieste!

counter

.Olha que está na hora

relojes web gratis

.ALERTA - Aos amigos que me lêem

Este Blogue é constituido por histórias Homo-Eróticas dedicadas a MAIORES de 18 anos. Os homossexuais também têm sentimentos, sofrem, amam e gozam a vida como qualquer outro sejam activos, passivos ou Flex (versátil). As fotos e videos aqui apresentadas foram capturadas da internet livres de copyrigt. Quanto aos textos, são de minha inteira responsabilidade ©. Não faça copy sem mencionar a sua origem. Tenham uma boa leitura e não se esqueça que o geral ultrapassa a ficção. Comente dem medos e não tenha preconceitos.
blogs SAPO

.subscrever feeds