.Art.13º, n.º da Constituição

"Ninguém pode ser privilegiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça,língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual"
Sábado, 14 de Setembro de 2013

Educação sexual – Masturbação masculina

masturbação masculina - nelson camacho d'magoito

     Já lá vai o tempo em que os médicos retrógrados quando descobriam que um jovem no inicio da sua sexualidade batiam uma punheta aconselhavam a não o fazerem pois ocasionavam danos cerebrais difíceis de retroceder. Quanto aos padres, diziam que era pecado e os meninos que o fizessem não iriam para o céu.

     Os tempos foram mudando como tudo na vida e foi-se descobrindo que o acto sexual de satisfação própria nada mais era que o acto de auto-estimulação dos órgãos genitais manualmente ou por meio de objectos com o objectivo de obter a satisfação sexual seguido ou não do orgasmo não fazendo mal algum mas sim para descomprimir psicologicamente.

     Há quem o faça a si próprio ou com a ajuda de segunda pessoa, seja ela qual for. Na puberdade o que interessa é o prazer que esse acto dá. Na altura da descoberta sexual essa ajuda tanto pode ser feita por uma amiga ou por um amigo. Quando é feita por um amigo as sensações são muito maiores pois podem ser comparadas nos tamanhos das pilas e nas quantidades da ejaculação. Até há jogos em conjunto para verem qual a maior distância a que chega o sémen. Neste caso nada tem a ver com a masculinidade mas sim com a função da próstata.

     O termo “masturbação masculina” foi formado pela junção de duas palavras latinas manus, que significa "mãos", e turbari, que significa "esfregar", com o significado de "esfregar com as mãos".

     Este acto sexual pode tornar-se num vício solitário se o rapaz for por formação própria ou por formação imposta pelos progenitores numa pessoa introvertida e sem capacidades de procurar companheira ou companheiro para o acto em si.

     No vocábulo popular tem vários nomes: “coçar a minhoca”, “esfregar o Zé”, “descascar a banana”, descabelar o palhaço”, lustrar o cacete” ou o mais usual “bater uma”.

 

     Desde pequenino que sem qualquer explicação plausível, (para isso deixo e explicação do Dr. Quintino Aires que aborda estes temas num programa da TVI do Manuel Luís Goucha) que temos tendência a achar graça ver o nosso pau levantar-se quando o manuseamos mas à medida que vamos crescendo vamos sentindo um certo prazer, pensando nele todos os dias e confessem lá procuramos sempre como tudo na vida encontrar inovações para o acto.

     É com base neste conceito que me predisponho hoje a dar-vos algumas indicações sobre algumas técnicas de bater uma:

 

masrurbação masculina - educação sexual - nelson camacho o caçador

     - Maçaneta da porta:  Coloque lubrificante na palma da sua mão e logo que tenha o seu pénis erecto rode a palma da sua mão na ponta do pénis como se estivesse a abrir uma maçaneta de uma porta, depois rode no sentido contrário, alterne os movimentos rotativos.

     - Toque-toque:  Masturbe-se normalmente sem tocar na cabeça do seu pénis  quando a cabeça estiver bem dura e vermelha, estimule-a suavemente com a ponta dos seus dedos até conseguir a ejaculação.

     - Anéis:  Coloque lubrificante em ambas as mãos. Junte os dedos de uma mão (polegar e indicador) e forme um anel. Coloque este anel no fundo do seu pénis  Deslize este anel para cima até à glande (onde começa a cabeça do pénis . Nesse momento forme outro anel igual com os dedos na sua outra mão e faça a mesma coisa. Faça movimentos com um anel de cada vez até atingir o clímax.

     - Fogueira:  Coloque as suas mãos esticadas e viradas uma para a outra com o seu pênis no meio das duas. Comece a rodar o seu pénis como se fosse um pau de madeira ao qual deseja pegar fogo. Continue suavemente para não provocar mesmo fogo!

     - Pegar neles:  Da próxima vez que for se masturbar e sentir que está prestes a ejacular, coloque a sua outra mão sobre o seu escroto e suavemente aperte e puxe-o para baixo. Desta maneira sentirá o sémen percorrer o seu corpo.

     - Pancadinha:  Embora convenha ter um pénis sensível para esta técnica funcionar, pode sempre experimentar. Mantenha a sua roupa interior vestida e o pénis erecto. Sinta que está na sua maior erecção, e sobre a roupa interior dê pancadinhas na ponta do seu pénis com as pontas dos seus dedos. Usualmente leva mais tempo a atingir o clímax, mas quando o conseguir… oh sim!

     - Mão querida:  De pé, vire a sua mão lubrificada para si de maneira a que os seus dedos se encontrem virados para a sua barriga. Coloque o seu pénis contra a sua barriga e cubra-o com a mão; em vez de movimentar a sua mão, deixe-a estática, enquanto movimenta a sua pélvis para que o seu pénis entre e saia na sua mão. É uma maneira parecida com o penetrar de uma vagina ou um cu.

     - Gelado:  Na altura em que se está prestes a ejacular, pegue em alguns cubos de gelo ou mesmo gelo picado na mão que não está a usar. A diferença de temperatura entre as duas mãos na altura da ejaculação levará a uma experiência entre as Caraíbas e o Pólo Norte.

     - Plástica:  Pegue num saco de plástico, e coloque bastante vaselina dentro dele. Coloque o seu pénis erecto dentro do saco, e cubra-o todo de vaselina. De seguida com o seu pénis ainda dentro do saco, coloque o saco entre o seu colchão e uma almofada, e fazendo peso na almofada com as mãos, faça movimentos até ao orgasmo!

     -Paragem:  Enquanto se masturba usualmente com uma mão, pare de vez em quando e com a mão disponível faça um anel com os seus dedos (polegar e dedo do meio), coloque o anel à volta do pénis e faça um pouco de força e aperte, depois continue normalmente a masturbação, fazendo pausas destas até ao clímax.

     -Ritmix:  Com uma mão faça um movimento descendeste da cabeça do pénis até à base. Quando chegar à base largue o pénis, faça o mesmo com a outra mão, uma e outra vez, alternando as mãos com algum ritmo.

 

     Em qualquer das formas se praticar qualquer destas técnicas na cama, tenha sempre à mão uma toalhinha onde depositar o esperma pois é chato a sua mão quando for fazer a cama dar com aqueles bicharocos já mortos estatelados nos lençóis.

 

Querem saber um segredo?

     Tinha os meus 15 anos já era tão viciado em sexo de tal maneira que na oficina de meu pai, aprendi a profissão de torneiro mecânico e quando estava trabalhando no torno, só de fato-macaco vestido havia uma manivela que a sua pega à medida que rodava ia batendo no meu pénis. Olhava para os rapazes da minha idade que trabalhavam na oficina, o meu pau levantava-se e vinha-me abundantemente. Todos os dias tinha de mudar de fato-macaco.

 

Se souber de outro termo, no comentário que irá fazer diga-me.

 

As fotos aqui apresentadas são livres de copyright e retiradas da Net.

 

             Nelson Camacho D’Magoito

                       (O Caçador)

                   “Educação sexual”

                 © Nelson Camacho
2013 (ao abrigo do código do direito de autor)

sinto-me:
publicado por nelson camacho às 14:15
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Setembro de 2013

A minha primeira queca homossexual – Vidas Cruzadas – VII Parte

Para entender melhor a trama que ocasionou esta cena tem de ir

“Vidas cruzadas – I Parte

 

Saida do banheiro

 

     Eu ainda não estava refeito de todas as novidades. Enchi mais um copo de whisky. Olhei para o Rui que continuava calado, atirei-me para um maple e só tive coragem de perguntar:

(ver VI Parte)

 

        - E agora?.. Tu já sabias destas novidades?

 

        - Sim!.. Eu e minha mãe não temos segredos e já me tinha perguntado a opinião sobre o assunto e concordei em absoluto com tudo. Agora o resto só está da tua parte.

        - Não sei o que hei-de fazer! Se ficar com um ou com o outro.

        - A escolha vai ser totalmente tua. Vais tentar ser feliz junto de quem te pode proporcionar essa felicidade junto de quem te quer ou vais continuar com indecisões.

     Com esta conversa, já íamos no segundo copo de whisky.

 

        - O melhor é ir para casa!

        - E vais mais uma vez fugir? Porque não ficas cá. Não chegaste a ver o final do filme. Vamos acabar de o ver e depois resolves se ficas cá ou vais para casa!

        - Poso ir à casa de banho?

        - A casa é tua! Até podes tomar uma duchada para refrescar as ideias.

 

     Foi o que fiz. Para além do xixi, tomei um duche refrescante. Como não me ia já embora, enrolei uma toalha à cintura e fui procurar o Rui.

 

gay esperando o amigo

     Entrei no quarto que este estava quase na penumbra onde tudo brilhava suavemente por causa de uma luz negra estrategicamente sobreposta sobre a cama e em fundo uma musica de Frank Sinatra “My Way “. Com aquela luz incidindo sobre o corpo do Rui que se encontrava praticamente nu pois só tinha vestido uma tanga deixei cair a toalha e mansamente atirei-me a ele beijando-o intensamente Rui tirou a tanga e nossos corpos juntaram-se como um só. Nossos lábios juntos, movimentamos nossas línguas num desaforo total, ao mesmo tempo que acariciávamos nossas faces. Rui num movimento brusco passou para cima de mim de forma a eu ficar de papo para o ar, deixou meus lábios e com os seus começou beijando os meus mamilos percorrendo-me o resto do corpo até o meu pau que já se encontrava hasteado como bandeira nacional meteu na boca começando a fodelo. Instintivamente segurei-lhe na cabeça apertando-a para que meu pito penetrasse cada vez mais em sua boca.

     Foi quando senti um dos seus dedos penetrar lentamente no meu cuzinho virgem. Com esta atitude, não só continuei a movimentar-lhe a cabeça como movimentando meu corpo.

Rui largou meu pau e perguntou:

 

         - Gostas?

         - Sim, continua! Faz o que quiseres do meu corpo!

 

     Já estava ficar louco de prazer como nunca me tinha acontecido.

 

     Quando me dei conta, estávamos num intenso 69 em que cada um fodia a boca do outro com toda a pujança de dois machos com o cio. Eu fazia pequenas pausas para mordiscar aquela cabeça lustrosa e já húmida ao mesmo tempo, ele continuava a mamar-me, enquanto os seus dedos brincavam com as bordas do meu cu. Soltei um gemido quando ele enfiou novamente um dedo.

     O pior foi quando ele começou a lamber os meus tomates. Aí gani mesmo! Com a sua língua na minha cabecinha mordiscava o prepúcio tudo enquanto a sua língua explorava cada curva do meu tesão armado. Eu gemia e mamava-o cada vez com mais força, acariciando-lhe também os tomates.

     Estivemos à vontade uns vinte minutos nisto, até que, sem qualquer aviso, o Rui se veio na minha boca, com os dois dedos enfiados no meu rabo quase até ao fundo e sem largar a minha pila. Deixei escorrer aquela esporra quentinha pela garganta abaixo.

 

     Sem saber bem porquê mas instintivamente, lambi aquele pau até ter a certeza que nada restava daquela porra de gosto esquisito mas que tinha gostado.

     Rui pediu que me virasse e continuou a masturbar-me perguntado se não me queria vir dentro dele.

 

copula gay

     Sem resposta arranjou a posição de concha e com sua mão apontou o meu pau para o cuzinho dele, que doido que já estava o penetrei-o sofregamente. Movimentamo-nos mutuamente e os meus queridos espermas lá foram direitos ao caminho que se iria tornar habitual ao mesmo tempo que o punhetava tentando que se levantasse novamente.

     Ainda estivemos naquela posição durante algum tempo até nossos paus hirtos e firmes se transformaram em coisas sem importância.

     Deitamo-nos lado a lado segurando nosso caralhitos que mais pareciam de criança, tal murchos que estavam

 

        - Gostas-te? Deu-te prazer? (perguntou o Rui)

        - Sim! Acho que andamos a perder tempo desde que nos conhecemos.

        - Mas tu é que não quiseste quando me atirei a ti pela primeira vez.

        - Dessa vez fiquei baralhado.

        - Mas nunca tinhas dado das minhas intenções?

        - Já tinha desconfiado quando fomos a casa do Nelson e quando saímos juntos àquele bar de gays. A propósito! E o Nelson? Sempre se zangaram?

        - Não foi bem uma zanga. Ele ficou com ciúmes de eu ter tentado foder contigo. Até disse que gostava também de te experimentar.

        - E julgas que ele na altura teria mais sorte que tu?

        - Sabe o gajo no nosso meio tem a alcunha de “O Caçador” e quando se lhe mete um puto na cabeça não o larga. Normalmente tem sorte pois é um gajo muito sabido e com anos de experiência. Mas contigo não vai ter sorte. Nem ele nem nenhum!

 

      O Rui tinha acabado de fazer uma declaração de amor como nunca tinha ouvido. O tipo estava mesmo apaixonado por mim. E eu? O que me estava a acontecer? O que seria dali para a frente depois daquela experiência? O certo é que tinha gostado e não lhe largava pila que já estava dar sinais de vida.

      Ele deu por isso e colocou-se em cima de mim voltando tudo ao princípio. Beijando-me os mamilos acarinhando-me o rosto com a mão aberta como fazem os gatos. Eu reciprocamente segurei-lhe a cabeça e olhos nos olhos nos olhámos e nos beijamos novamente.


     Comecei a sentir na minha barriga o seu pirilau que já não era mas sim um tremendo caralho hirto e firme conjuntamente com o meu.

Então ele levou minha mão ao dele e começou a estimula-lo. Passei para a posição de

copula gay de frente

 

 

papo para o ar. Ele voltou com os dedos a manusear-me o cu à medida que me afastava as pernas para o ar, tirou os dedos e afastando-me mais ainda as pernas senti o seu pau entrar meu cu a dentro, primeiro devagar devagarinho e depois todo até sentir também os seus tomates nas minha nádegas. Gemi um pouco mas ele abafou meus gemidos com sua boca. Já não era o seu caralho dentro de mim, era também a sua língua. Com uma Mão masturbou-me com força e viemo-nos mutuamente.

     Porra!... Tinha sido demais. Tanto gozo numa noite só! Era demais.

     Colocamo-nos numa posição mais confortável de conchinha continuando ele atrás de mim e adormecemos.

 

dormindo de conchinha

     Quando acordamos já o sol despontava janela dentro e com uma fome dos diabos e principalmente eu que não estava habituado aquelas coisas

     Olhei para o Rui que já estava de lhos abertos e dando-me um a bracinho gostoso como nunca tinha sentido.

    O Rui era bastante sabido e tinha-me levado à certa. Comparado com a minha experiência sexual com mulheres, aquela noite tinha suplantado tudo o que podia ter imaginado.

     Com ar de sacaninha perguntou-me:

         - Dormiste bem?

         - Nunca pensei que isto me tivesse acontecido.

         - Estás arrependido?

         - Não! Não estou! Nesta altura nem penso em mais nada.

         - E o que é que queres pensar?

         - O que vou contar a meu pai e a minha mãe.

        - E achas necessário ir já a correr contar a eles? O que se passa entre nós?

        - Como ele disse vou ter o fim-de-semana para lhe dar uma resposta sobre a tal situação.

        - E achas que o teu pai é parvo e não sabe de mim?

        - Achas?

        - Se vieres viver cá para casa tens de dormir no meu quarto e como sé tenho uma cama, tens de dormir comigo. Minha mãe certamente já conversou com ele sobre o assunto.

        - Deixemos isso para quando eles voltarem. Vamos tomar uma duchada e fazer algo para comer. Estou cheio de fome.

        - Quanto ao duche estou de acordo. Quanto ao resto vamos dar um salto à Praia Grande e comemos lá.

brincadeiras na praia grande - Sintra

Há muito que não passava um fim-de-semana com tanta felicidade

(Ir para VIII Parte)

 

                Nelson Camacho D’Magoito

             “Contos ao sabor da imaginação”

                     © Nelson Camacho
   2013 (ao abrigo do código do direito de autor)

 

 

sinto-me:
publicado por nelson camacho às 00:57
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eles eram dois – I Capítu...

. Eles eram dois – II Capit...

. Menino rico e menino pobr...

. A Masturbação

. Até quando homofóbico – I...

. A Minha prenda de Natal –...

. A Minha prenda de Natal –...

. O meu primo de Lisboa

. Não beijo!.. e você já be...

. Os Motas – II Capitulo

.arquivos

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.Já cá vieste!

counter

.Olha que está na hora

relojes web gratis

.ALERTA - Aos amigos que me lêem

Este Blogue é constituido por histórias Homo-Eróticas dedicadas a MAIORES de 18 anos. Os homossexuais também têm sentimentos, sofrem, amam e gozam a vida como qualquer outro sejam activos, passivos ou Flex (versátil). As fotos e videos aqui apresentadas foram capturadas da internet livres de copyrigt. Quanto aos textos, são de minha inteira responsabilidade ©. Não faça copy sem mencionar a sua origem. Tenham uma boa leitura e não se esqueça que o geral ultrapassa a ficção. Comente dem medos e não tenha preconceitos.
blogs SAPO

.subscrever feeds