.Art.13º, n.º da Constituição

"Ninguém pode ser privilegiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça,língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual"
Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

Homofobia na Escola

 

Educação Sexual nas Escolas

  

  Se bem me lembro a última história que escrevi neste blog foi em Setembro, vocês podem não saber mas este tipo de escrita não é tão fácil como parece.

     Se dou esta explicação é porque tenho recebido vários e-mails a protestarem, inclusive perguntando de estou de férias, ou não tem acontecido nada de nota ou ainda de tenho nova companhia e estou-me nas tintas para os leitores. Pois bem, não é nada disso, simplesmente tenho-me dedicado a escrever sobre outros temas em outros bloges que nada têm a ver com Histórias Eróticas entre gays.

     Actualmente tem havido uma guerra entre a Ministra da Cultura e os professores que por tabela quem se vai tramar é o aluno. Eles dizem que não, mas não é verdade na medida em que se os professores não tiverem condições de trabalho e não estiverem psicologicamente preparados para o ensino, a coisa sai torta.

     Há professores que se aguentam à bronca outros não acontece até que derivado à má formação de alguns – embora sejam poucos felizmente – a coisa pode descambar para também a má formação dos alunos.

     O que aqui hoje venho contar não é uma história inventada por mim, mas sim um relato sobre o procedimento de uma professora e que me foi enviado por e-mail.

 

 

 

Homofobia se aprende na escola

Felipe Luckmann


 

“No colégio aprendemos coisas úteis, deixamos de aprender outras mais úteis ainda, ou então, aprendemos o que nunca deveria ser ensinado a ninguém. O último caso é o da homofobia. Ela, infelizmente, é doutrinada em nossas instituições de ensino, que servem assim para perpetuar preconceitos já enraizados na nossa sociedade. É lamentável, já que o papel do colégio é (ou deveria ser) fazer o aluno pensar e principalmente repensar o mundo. Mas não é isso o que acontece. Ele é instigado a repetir padrões de comportamento e conduta já consagrados.

Quem é o responsável por esse quadro? Um deles é o professor, sem dúvida. Afinal, ele representa a figura de autoridade e de "sabedoria" dentro da sala de aula.

 

Vou citar um exemplo verídico, e que aconteceu comigo mesmo. No último ano do ensino médio, tive a infelicidade de ter como professora de biologia uma profissional extremamente preconceituosa e reaccionária. Dizia incontáveis absurdos contra os homossexuais. E seu falar era convicto, com uma paixão assustadora. O pior, é que ela adorava abordar a temática sexualidade nas suas aulas, apesar de não ter formação para tal e entender nada do assunto.

 

Certa vez, ela explicava o ciclo menstrual feminino. Como alguns colegas (meninos) meus conversavam e não prestavam atenção no que ela falava, a dita cuja interrompeu a aula e proferiu a pérola: "Vocês aí, prestem atenção. Eu quero que vocês entendam a mulher de vocês quando casarem. Porque eu rezo todos os dias para que vocês só tenham relacionamentos com mulheres. Infelizmente, nem sempre isso acontece...". Preciso dizer mais alguma coisa? Uóóóó!

 

          E tem mais. Em outra ocasião, ela discorria sobre vaginas, não lembro o motivo. Comentou o fato da boa visualização do órgão que certas revistas adultas eróticas propiciam. Ela se referiu a tais revistas como aquelas que "99,8 % dos meninos normais compram".

 Absurdo total! Por dois motivos: primeiro, homossexualidade é uma orientação sexual como qualquer outra, não há nada de anormal em ser gay; segundo, os gays não são 0,2 % como acha a querida professora, mas sim, pelo menos 20 %.

 

E não acabou. Como já disse, sexo era um dos assuntos predilectos dela. Não perdia oportunidade, então, para falar sobre sexo anal e oral. Falar mal. E jogava nos alunos todas as ideias mais medievais possíveis. "Eu preciso alertá-los", dizia. Sugeriu que sexo anal causaria hemorróidas (?!), incontinência fecal (?!!!), câncer... ou seja, quem desse o cu estava condenado à morte.

 

E o preconceito e as ideias erróneas, iam sendo perpetuadas dentro da sala de aula... Importante mencionar o modo como tais ideias eram ditas pela referida profissional. Falava com uma convicção, com um jeito de bem entendida no assunto, com uma eloquência, que dava a tudo um teor de verdade incontestável. E seu discurso fascizante era convincente. Na sua luta para catequizar os alunos, ela não esquecia nem de legitimar seu discurso.

 

 Prática caracterizadamente fascista: legitimar uma mentira. Para tanto, dizia outra de suas pérolas: "Não, eu não sou preconceituosa. Quero mais que as pessoas sejam felizes". Hahahahaha! E se isentava de qualquer culpa... Tudo o que dizia, assim, não era preconceito, mas verdades... Só não mencionavam que eram verdades válidas somente na Idade Média. E felizmente estamos no século XXI. Quando ela falava aquelas coisas, não estava sendo preconceituosa? E pode algum gay ser feliz, sofrendo com a discriminação da sociedade, que ela mesma contribui para aumentar, educando aqueles adolescentes para a homofobia?

 

E essa é apenas uma de tantas professoras e professores que se portam de maneira errónea.

 O correcto seria a escola educar desde cedo para a diversidade. Para tanto, é necessária uma reformulação total do sistema de ensino, em todos os níveis. Para começar, no ensino superior. A maioria dos professores está despreparada para tratar do assunto sexualidade. Então, as licenciaturas devem abordar o tema profundamente e orientar o comportamento dos professores diante da questão em sala de aula. Assim, se formariam professores que perpetuariam uma ideologia mais tolerante em relação à homossexualidade. Seus alunos, futuros professores, estariam mais preparados para lidar com o assunto na faculdade e, consequentemente, na posterior prática profissional. Gradativamente, o nosso sistema de ensino iria mudando e a mente de nossas crianças e adolescentes também. Esse é um passo importante que falta. Pois não só a homofobia se aprende na escola, mas o respeito pelo diferente também”.

          

 

     Meus amigos certamente já encontraram entre os vossos professores tipo e tipas deste género e a pergunta fica: Como calar estes paspalhões com almas perversas e que não conseguem pensar antes de soltarem tais asneiras? Onde está a disciplina de orientação sexual que a ministra prometeu? Onde estão os professores qualificados para dar tais aulas?

     Se souberem ou quiserem comentar SEM MEDOS façam-no aqui.

 


O Caçador

sinto-me: Um professor moderno
a música que estou a ouvir: A Cartilha de João de Deus
publicado por nelson camacho às 03:44
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De louco_por_gajos a 11 de Janeiro de 2009 às 00:52
Fixe seu blog!!!!!!!!!!!!!!
Parabens!!!
Passa no meu blog okk


De Manuella a 11 de Abril de 2011 às 03:44
Bom ..achei interessante a parte que ele falar que 'a professora tentava'' catequisar'' os alunos''..rsr
acredito que ela usava ideais religioso para tal procedimento sendo que a igreja é uma das opositoras ao homossexualismo.TB o que me interressou muito foi á a questão facista,que de uma certa forma podemos pensar em um exagero do autor ,mas que no fundo se torna um cometario bem coerete,caso ''o PROFESSOR'' é um formador de opinião.É logico atribuindo essas ideias aos alunos ,contribuia sim!para uma construção da homofobia nao só na escola,mas repercutindo na sua vida social.


De jadady sevá a 11 de Abril de 2009 às 01:40
Estudo numa faculdade ,faço pedagogia e falta muito a respeito sobre esses temas em sala de aula. Já sou professor e abordar esses temas é complicado é tipo um medo de falar coisa indevida pois na sala tenho um aluno que mora com o pai e o namorado dele. E falar coisas indevida a eles não quero passar informação erradas.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eles eram dois – I Capítu...

. Eles eram dois – II Capit...

. Menino rico e menino pobr...

. A Masturbação

. Até quando homofóbico – I...

. A Minha prenda de Natal –...

. A Minha prenda de Natal –...

. O meu primo de Lisboa

. Não beijo!.. e você já be...

. Os Motas – II Capitulo

.arquivos

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.Já cá vieste!

counter

.Olha que está na hora

relojes web gratis

.ALERTA - Aos amigos que me lêem

Este Blogue é constituido por histórias Homo-Eróticas dedicadas a MAIORES de 18 anos. Os homossexuais também têm sentimentos, sofrem, amam e gozam a vida como qualquer outro sejam activos, passivos ou Flex (versátil). As fotos e videos aqui apresentadas foram capturadas da internet livres de copyrigt. Quanto aos textos, são de minha inteira responsabilidade ©. Não faça copy sem mencionar a sua origem. Tenham uma boa leitura e não se esqueça que o geral ultrapassa a ficção. Comente dem medos e não tenha preconceitos.
blogs SAPO

.subscrever feeds