.Art.13º, n.º da Constituição

"Ninguém pode ser privilegiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça,língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual"
Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2015

Menino rico e menino pobre

João, filho de gente rica e bem abastada foi sempre criado por uma ama duas criadas e um chaufer. Até aos seis anos, praticamente só era acarinhado pela ama. Até no seu primeiro ano de vida, a sua alimentação em leite, era dado pela ama através de um biberão.

A mãe, advogada de profissão e fazendo parte de um escritório bastante reconhecido nunca tinha tempo sequer para dar ao filho aquele carinho maternal próprio de uma mãe. O Pai, pessoa austera e director de uma grande empresa, também raramente se chegava junto do filho para o acompanhar nas refeições ou dar-lhe o carinho de pai.

Se o João até à idade de ir para infantário nunca soube o que era o carinho dos pais, dali para a frente a coisa ainda piorou mais.

Nessa altura os pais do João compraram uma vivenda tipo palacete com piscina e um anexo para os empregados que até ali, cada um ficava em sua casa assim, as empregadas da casa e o chaufer que era casado e tinha um filho da mesma idade do João mudaram-se todos para o tal anexo que era uma mini vivenda. Só a ama continuou a morar em casa dos senhores para continuar a tratar as vinte e quatro horas do dia pelo João.

 

Como o filho do chaufer era da mesma idade do João e de combinação com os patrões, este também foi para o mesmo colégio do ‘menino’ assim, passaram a ser levados os dois pela mulher do chaufer, que entretanto os patrões lhe mandaram tirar a carta de condução e compraram uma carrinha para o efeito. (gente rica é outra coisa).

 

Foi nesta altura e derivado ao novo modo de vida que o João teve um amiguinho, o Carlos. É óbvio que na escolinha arranjou novos amigos e amigas, mas só na escolinha pois a sua casa ninguém ia por imposição dos pais.

 

Durante os anos que se seguiram o olhar o mundo do João com outros olhos, era difícil pois as suas amizades verdadeiras resumiam-se ao Carlos com quem brincava e se iam entretendo nos entendimentos da própria idade.

 

Quando chegou a altura do quinto ano de escolaridade, separaram-se. O João foi para uma escola privada e o Carlos para uma pública.

 

O Carlos teve a oportunidade de enfrentar a vida escolar como é hábito dizer-se ‘pelos cornos’. Conheceu todo o tipo de colegas: de várias etnias religiosas e raças e oriundos de vários extractos sociais. Ali havia de tudo, remediados, pobres, gatunos, ganzados, filhos de pais solteiros, divorciados e homossexuais, enfim a nata da sociedade.

Quanto ao João, numa escola privada e com acesso muito restrito só tinha por companheiros os ‘betinhos’ filhos de gente com muitas posses. Tudo rapaziada filhos e filhas dos senhores militares, advogados, juízes, empresários de alto gabarito e alguns políticos. Era uma escola fechada dentro de si mesma e com regras muito austeras. Andavam todos de farda igual. Cada um tinha o seu cacifo próprio mas que o director vez a vez lá ia espreitar para verificar se algo, para o seu entender, de estanho existia. Era proibido, ter telemóveis, as ligações à internet eram vigiadas pelos professores, tinham um cartão digital de acesso às entradas nas aulas, ao refeitório e havia câmaras por tudo o que era sítio, até nos lavabos, menos nos Wcs (ao menos valhamos isso). O tal cartão digital também servia para entrar ou sair da escola, no entanto, esta atitude tinha de ser feita pela pessoa que os ia buscar e era ver grandes carros de manhã e à tarde á porta do colégio para os ir levar e buscar.

No exterior daquela escola nunca se via rapazes ou raparigas e nem uma paragem de autocarros existia. Só um carro da polícia que por ali permanecia durante todo o dia.

O João continuava a não ver o mundo com os olhos de ver. Os amigos da escola em nada o ajudava pois as histórias eram praticamente as mesmas. Aquela escola era uma prisão autêntica, mas ele ainda não tinha dado por isso.

Quando chegava a casa, era o lanche na casa de jantar e a ida para o escritório da casa onde tinha uma secretária para fazer os trabalhos de casa. Entretanto chegava a hora do jantar, sempre às vinte horas e estivessem os pais ou não o jantar era servido. Até à hora do deitar, vinte e três, lá se entretinha na leitura de um livro, do pai, a ver televisão ou uma visita à internet, mas estas tinham um dispositivo que se desligava automaticamente às vinte e três horas.

No quarto não havia computador ou televisão e depois de deitado, raramente levava um carinho do pai ou da mãe pois as suas vidas eram preenchidas pelo trabalho que para eles estava acima de tudo e todos. Tinham empregados para tratar do resto.

O João assim foi criado até aos quinze anos sem amigos e sem ver o mundo. O único amigo que tinha era o Carlos, mas este andava noutra onda e raramente se cruzava com ele.

 

Quando o João chegou aos quinze anos começou a verificar que aquela vida não era nada, não só se sentia preso em casa como na escola e quanto ao carinho dos pais não sabia o que isso era.

 

O único contacto de amizade que o João teve até aos quinze anos foi o do Pedro. Juntavam-se na piscina e às vezes em casa de um ou do outro à noite para fazerem os trabalhos de casa. Quando fizeram os quinze anos, por vezes o Carlos que já a sabia toda, pirava-se de casa e começou a curtir a noite.

 Uma manhã o João foi ao anexo chamar o Carlos para uns saltos na piscina, mas este ainda estava deitado. Como era hábito o João entrou no quarto e viu o amigo todo torcido e masturbando-se.

- É pá! Que tas a fazer?

- Olha! Tou a bater uma punheta. Queres ajudar-me?

- Tás parvo?

- Não me digas que nunca bateste uma?

- Eu?????

- Anda cá! Eu bato a ti e tu bastes a mim!

- Épá! Isso é coisa de panascas.

- Não sejas parvo! Eu faço isto com colegas meus lá na escola.

 

O Carlos já tinha, além do computador um leitor de DVS no quarto e numa gaveta fechada há chaves vários vídeos da treta para os pais não descobrirem e então alvitrou ao João ver alguns que ele nunca tinha visto.

 

- Queres ver uns filmes que tenho aqui?

- Pode ser.

- Fecha a porta com a chave para não sermos apanhados, e deita-te aqui ao meu lado.

 

João nunca se tinha visto numa situação daquelas. Estar deitado ao lado do seu amigo de infância e ver um filme porno. Aceitou e deitou-se ao lado do Pedro por cima da coberta. Como estava de calções de banho pois já estava preparado para a piscina assim ficou de t-shirt de alças e calções.

Pedro que se tinha levantado para colocar o filme assim que este começou a rodar e porque estava também de t-shirt e boxers, tirou a camisola e deitou-se ao lado do João que notou que o pénis dele ainda se mantinha de pé pois ainda não tinha acabado a masturbação que estava a fazer ”

 

- Épá! Tens isso assim sempre em pé?

- Não é sempre mas não me deixaste acabar. Queres ver o gajo? – respondeu o Pedro.

- Para quê? O meu não se levanta assim sem mais nem menos.

- Vê o filme e vais ver como é.

 

“O Filme, nada mais era que um daqueles em que um amigo visita outro, e depois de tomarem uns sumos resolvem envolver-se sexualmente tomando rumo ao quarto.

 

Efectivamente o filme estava de início e a primeira cena era quando um cara entrava no quarto do outro se beijavam ao mesmo tempo que se iam despindo.

 Já nus atiravam-se para a cama e começavam beijando-se, ao mesmo tempo que encostavam seus corpos e seus pénis em esfregação, que a pouco e pouco se iam levantando.

Um deles ficando por cima, ia percorrendo o corpo do outro depois de o beijar na boca até encontrar a pila do parceiro que a metia na boca.

O resto do filme iria parar no habitual 69 passando pela cópula. Cenas que os nossos rapazes já não viram pois começaram eles próprios a fazer as suas descobertas. Já que antes de entrarem nessas cenas começaram eles em vias de facto.

 

Pedro olhando para os calções do João e viu que estava saliente naquela zona de prazer e perguntou:

 

- Tás a gostar! Tás a ver como é? O teu mano está como o meu, já levantado.

 

João um pouco atrapalhado. Ainda não tinha dado por isso pois o que estava a funcionar era o seu subconsciente ao ver aquelas cenas que nunca tinha visto, e foi verificar se era verdade. Efectivamente o seu pau estava hirto e com vontade de saltar cá para fora.

 

Pedro continuou;

 

- Tá a ver? São dois gajos como nós que se estão descobrindo sexualmente. Vou agarrar na tua e tu na minha, vais ver que vais gostar.

 

“Foi assim que o menino rico e o menino pobre aos quinze anos se descobriram sexualmente. Começou tudo por uma masturbação conjunta. Naquela altura porque o sexo ao natural é mais forte que qualquer filme começaram por se embrenharem em eles mesmo.”

 

João enquanto masturbava o amigo, este gentilmente segurou-lhe na cabeça e encaminhou-a até ao seu pau, que meteu na boca que sorvo com prazer.

 

“Pedro já tinha feito estas coisas com outros amigos, portanto já sabia como encaminhar este virgem nestas andanças.”

 

-Agora é a minha vez! Dizia o Pedro ao mesmo tempo que despia os boxers e os calções ao João, ficando finalmente nus.

Daquele momento até ao 69 foi um só momento.

Pedro esperto, enquanto ia felando o amigo, com um dedo e algum cuspo ia lubrificando o ânus do dito.

 

 

 

 João ao sentir os dedos do Pedro redopiarem a entrada do seu ânus ao mesmo tempo que seu pénis ia sentindo o apertar dos lábios do Pedro e sua língua tentando penetrara do buraquinho da cabeça do seu pénis, aquilo foi uma explosão de prazer. Ambos curtiam sofregamente cada um dos seus pénis até que Pedro pediu:

 

- Não te venhas. Quero fuder-te

 

E num movimento acrobático Pedro colocou-se atras do João e estando já o seu ânus devidamente lubrificado e porque o seu pau também não era muito grande, começou por entrar a cabeça e depois de vários movimentos de ambos, todo aquele corpo hirto acabou por penetrar dentro do João. Um pequeno gemido que foi abafado pelos lábios do Pedro que ao mesmo tempo lhe virava a cabeça e o beijava.

 

Aqueles dois jovens tinham finalmente encontrado o que era,  - para eles – a iniciação sexual.

Ali não havia rico ou pobre havia simplesmente o afastar das responsabilidades de uns pais que durante quinze anos se tinham preocupado somente com o seu stato social, esquecendo-se que aqueles dois jovens poderiam ter tido outro caminho sexual.

Tiveram prazer ao descobrirem-se e foi quanto bastou.

João ainda exausto e ainda com a verga hirta pediu ao amigo que também queria.

Dois jovens com a força da idade e das descobertas. Pedro, nem respondeu. Virou-se e encaminhou o pirilau do amigo para o seu ânus fez força e ambos voltaram a gemer de dor e de prazer. Estava tudo consumado.

 

O Menino Rico e o Menino Pobre tornaram-se amantes.

 

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

 

           Nelson Camacho D’Magoito

   “Contos ao sabor da imaginação” (H-098)

               Para maiores de 18 anos

                   © Nelson Camacho
   2015 (ao abrigo do código do direito de autor)

sinto-me:
publicado por nelson camacho às 13:58
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Vasco a 17 de Fevereiro de 2015 às 00:26


De Leitor a 26 de Dezembro de 2015 às 10:20
Pedro, Carlos, João... Quantos eram afinal??... ;-)


De Luís Fernando a 27 de Fevereiro de 2016 às 08:02
É estranho saber que, apesar de termos sido colonizados por Portugal, a diferença nas línguas é enorme! Do jeito que foi narrado, para mim, por ser brasileiro, o conto perdeu o erotismo devido ao uso de palavras que para nós, brasileiros, são engraçadas! Não quero ofender o autor do texto e até agradeço ao mesmo pelo relato. Sou o intruso aqui neste site de Portugal, mas é engraçado saber como as palavras usadas em Portugal podem ser brochantes no Brasil, hehe! Mas o conto é bom! Obrigado


De nelson camacho a 28 de Fevereiro de 2016 às 10:17
Obrigado por me ler e lamento que as diferenças do linguajar entre Portugal e Brasil sejam assim tão difíceis para vocês. Para nós, entendemos muito bem o vosso jeito do falar e escrever o português. Isso deve-se ao proliferar nas nossas televisões as vossas telenovelas. Um abraço nc


De Luís Fernando a 28 de Fevereiro de 2016 às 23:44
Oi, Nelson! Muito obrigado pelo carinho e por entender que não estou, em momento algum, criticando o seu conto... Ele é excitante, sim... Só que o uso de determinadas palavras, costumeiras em Portugal, são, algumas vezes, desconcertantes para nós, e algumas são muito hilárias... Então, me perdoe! Como por exemplo o uso da palavra bicha, por exemplo, que significa ficar em uma fila, para vcs portugueses e que para nós significa homossexual. Ou pica, que para vcs significa tomar injeção e para nós é o orgão sexual masculino! Seria até legal traduzir o seu texto para o "brasileiro" para vc ver como que ficaria diferente o uso das palavras, hehehe! Mais uma vez obrigado e me perdoe! Valeu, cara!


De nelson camacho a 3 de Março de 2016 às 22:59
Meu caro Luís Fernando Antes do mais gostava de saber a sua idade e se casualmente é escritor.
Quanto ao texto que rescreveu no modo brasileiro, tenho a dizer que fiquei muito sensibilizado. Ao longo dos anos que escrevo em blogues é a primeira vez que alguém me traduz um texto em brasileiro, já aconteceram traduções em espanhol e inglês mas em Português do Brasil, nunca. Posso dizer que não me ri pela forma como vc reescreveu o texto porque derivado a proliferação na vs. Novelas nas nossas televisões e pelos brasileiros que por cá estão vivendo o vosso linguajar não só não nos é estranho como entendível. Por exemplo eu sou um fã do Roberto Carlos e entendo tudo muito bem já vocês têm uma certa dificuldade em entenderem os nossos cantores e os atores quando trabalham no vosso pais.
Só por graça procure no youtube https://www.youtube.com/watch?v=v472fBftiC0 e veja se me entende.
A recriação em brasileiro para o português não tem nada de pornográfico vou edita-lo no meu bloque (aqui ao lado) “O Canto do Nelson” em: http://ocantodonelson.blogs.sapo.pt/menino-rico-menino-pobre-na-versao-74327 com a devida vénia.
Que bom você ser um intruso no que eu escrevo. Um abraço de grande amizade


De Luís Fernando a 4 de Março de 2016 às 06:55
Mais uma vez agradeço a sua educação e gentileza! Vc é o cantor Nelson Camacho, mesmo? Que interessante! O correspondente para o link que me enviou em "brasileiro" seria o de outro Nelson, o Gonçalves, que canta um estilo de música parecida: https://www.youtube.com/watch?v=8YaOWBvx_Ms Eu tomei o cuidado de não reescrever o seu estilo, só de traduzir algumas palavras e sentenças para que pudessem ser entendidas por brasileiros, especialmente os diálogos. Nós não usamos mais a segunda pessoa do singular e do plural, tú e vós exceto no Rio Grande do Sul. Vcs são os pais da língua, então eu peço desculpas pela intromissão,hehe! E mais uma vez fico impressionado pela sua paciência comigo, hehehe! Qualquer outra pessoa me xingaria por estar mexendo no seu texto, hehehe! Mas só quis demonstrar como as palavras que poderiam trazer uma conotação excitante em um texto para uma determinada audiência de um país, poderiam não ter o mesmo efeito para o outro,hehehe! Os estilos e as palavras mudam devido ao distanciamento e a perda gradual de contato dos países e até mesmo dos estados dentro destes mesmo países... Em 100 anos, talvez nós não iremos realmente mais entender um ao outro, hehehe


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eles eram dois – I Capítu...

. Eles eram dois – II Capit...

. Menino rico e menino pobr...

. A Masturbação

. Até quando homofóbico – I...

. A Minha prenda de Natal –...

. A Minha prenda de Natal –...

. O meu primo de Lisboa

. Não beijo!.. e você já be...

. Os Motas – II Capitulo

.arquivos

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.Já cá vieste!

counter

.Olha que está na hora

relojes web gratis

.ALERTA - Aos amigos que me lêem

Este Blogue é constituido por histórias Homo-Eróticas dedicadas a MAIORES de 18 anos. Os homossexuais também têm sentimentos, sofrem, amam e gozam a vida como qualquer outro sejam activos, passivos ou Flex (versátil). As fotos e videos aqui apresentadas foram capturadas da internet livres de copyrigt. Quanto aos textos, são de minha inteira responsabilidade ©. Não faça copy sem mencionar a sua origem. Tenham uma boa leitura e não se esqueça que o geral ultrapassa a ficção. Comente dem medos e não tenha preconceitos.
blogs SAPO

.subscrever feeds