.Art.13º, n.º da Constituição

"Ninguém pode ser privilegiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça,língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual"
Terça-feira, 4 de Novembro de 2014

O Dilema de um abusado sexual

Antes de começas esta história e não querendo escrever um tratado sobre pedofilia mas porque o que vai ler a seguir é o resultado de um acto pedófilo quero escrever algo sobre o assunto não deixando antes de deixar Uma advertência: Não sou médico nem psicólogo, Escrevo simplesmente histórias de vidas e não têm carácter de aconselhamento. Se necessitar de ajuda, consulte um profissional de saúde antes que seja tarde.

A Criança abusada:

Devido ao facto da criança muito nova não ser preparada psicologicamente para o estímulo sexual, e mesmo que não possa saber da conotação ética, religiosa e moral da actividade sexual, quase invariavelmente acaba desenvolvendo problemas emocionais depois da violência sexual, exactamente por não ter habilidade diante esse tipo de estimulação. A maioria desses casos não é reportada, tendo em vista que as crianças têm medo de dizer a alguém o que se passou com elas. E o dano emocional e psicológico, em longo prazo, decorrente dessas experiências pode ser devastador. O abuso às crianças pode ocorrer na família, através do pai, do padrasto, do irmão ou outro parente qualquer. Outras vezes ocorre fora de casa, como por exemplo, na casa de um amigo da família, na casa da pessoa que toma conta da criança, na casa do vizinho, de um professor ou mesmo por um desconhecido. A criança de cinco anos ou pouco mais, mesmo conhecendo e apreciando a pessoa que o abusa, se sente profundamente conflituante entre a lealdade para com essa pessoa e a percepção de que essas actividades sexuais estão sendo terrivelmente más. Quando os abusos sexuais ocorrem na família, a criança pode ter muito medo da ira do parente abusador, medo das possibilidades de vingança ou da vergonha dos outros membros da família ou pode temer que a família se desintegre ao descobrir seu segredo. A criança que é vítima de abuso prolongado, usualmente desenvolve uma perda violenta da auto-estima, tem a sensação de que não vale nada e adquire uma representação anormal da sexualidade alguns em adultos chegam a manter relações com o sexo oposto, a casar e ter filhos mas no seu subconsciente se a violação se prolongou por vários anos podem também um dia (se a oportunidade estiver ali à mão) começar também a abusar de outras crianças, ou podem inclinar-se para a prostituição ou podem ter outos problemas (agora chegou a vez de fazer aos outros o que me fizeram)    

Definição da pedofilia

Pedofilia é classificada como uma desordem mental e de personalidade e também um desvio sexual "caracterizado pela atracção por crianças, com os quais os portadores dão vazão ao erotismo pela prática de obscenidades ou de actos libidinosos" os actos sexuais entre adultos e crianças (resultantes em coito ou não) são um crime publico na legislação de inúmeros países assim como o assédio sexual a tais crianças, por meio da Internet.

Alguns sexólogos, acreditam que não somente adultos, mas também adolescentes, podem ser qualificados como pedófilos.

Diagnóstico sobre “O pedófilo”:

O Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders  (DSM-IV) , da Associação de Psiquiatras Americanos, define uma pessoa como pedófila caso ela cumpra os três requisitos abaixo:

  1. Por um período de ao menos seis meses, a pessoa possui intensa atracção sexual, fantasias sexuais ou outros comportamentos de carácter sexual por pessoas com 13 anos de idade ou menos ou que ainda não tenham entrado na puberdade.
  2. A pessoa decide por realizar seus desejos, seu comportamento é afectado por seus desejos, e/ou tais desejos causam estresse ou dificuldades intra e/ou interpessoais.
  3. A pessoa possui mais do que 16 anos de idade e é no mínimo 5 anos mais velha do que a criança.

Este critério não se aplica a indivíduos com 12-13 anos de idade ou mais, envolvidos em um relacionamento amoroso (namoro) com um indivíduo entre 17 e 20 anos de idade ou mais. Haja em vista que nesta faixa etária sempre aconteceram e geralmente acontecem diversos relacionamentos entre adolescentes e adultos de idades diferentes. Namoro entre adolescentes e adultos não é considerado pedofilia por especialistas no assunto. (Exemplo: O namoro entre uma adolescente de 14 anos e um jovem de 18 anos)

Vamos à história

O Dilema de um abusado sexualmente

I Capitulo

A vida do Fernando tinha tudo para dar certo até se casou por amor, teve filhos e até netos. Casou-se aos dezanove anos não propriamente por imposições familiares mas porque a sociedade assim o obrigava. Naquele tempo não haviam as aberturas que existem hoje e quando um menino junto de sua mãe se queixava do seu mau estar físico logo a resposta era “o menino anda é com alguma birra”. Felizmente que a situação actualmente não é a mesma. Há normalmente um certo cuidado quando uma criança se queixa, logo os seus progenitores correm para o médico e se encontram um técnico de saúde mais atento logo descobrem o que se passa. Actualmente e derivado um pouco ao 25 de Abril que nos veio dar mais liberdade de expressão e comunicação social tem-se vindo pouco a pouco a divulgar crimes públicos que antes ficavam escondidos no seio familiar e é o caso da pedofilia. Não prescrevendo este tipo de crime assim sem mais nem menos, têm vindo a lume casos passados há anos por toda a sociedade inclusive a igreja católica.

A pedofilia é uma doença não tratável para o abusador mas que traz sequelas por vezes graves para os abusados. Mais cedo ou mais tarde essas sequelas alteram o estado psíquico do abusado principalmente se se trata de um rapaz. Algo incompreendido fica no seu subconsciente. Foi o que aconteceu ao nosso amigo Fernando.

Os Fernandes eram uma família de província dos anos sessenta que como muitos vieram para a grande cidade procurando largos horizontes mas sem grandes possibilidades económicas então aterraram de armas e bagagens em casa de uns primos que por cá já se encontravam e eram constituídos por um casal com dois filhos um rapaz e uma rapariga ambos na volta dos quinze e desaseis anos. Não sendo a casa muito grande os Fernandes ficaram num quarto e o nosso amigo Fernando no quarto do Luís com este na cama. O Luís era um moço travesso e sabido para a sua idade e já com as hormonas sexuais a expandirem-se. Naquelas famílias tudo estava a correr bem. A miúda já andava namoriscando um colega lá da escola. O Luís com os seus dezasseis anos já ajudava o pai lá no café de que era proprietário. Os Fernandes mais preocupados em encontrar uma boa estabilidade financeira depressa arranjaram empregos, ele nas obras e ela nas limpezas não lhes deixando grande tempo livre para se preocuparem com a criança (o Fernando).

 

Uma noite o Luís depois de fechar o café com o pai foi dar uma volta com os amigos e amigas pelas discotecas de Lisboa. Tudo jovens com as hormonas saltando para o que seria óbvio e lá se beijavam e tentavam algo natural, rapazes com raparigas. Uns tiveram mais sorte mas o nosso amigo Luís não teve sorte alguma e a moça que lhe calhou pois não esteve para aí virada (para o sexo) e o nosso amigo ficou ressabiado. A noite acabou e cada um foi para sua casa. Já eram três da manhã quando o Luís pé ante pé para não acordar o resto da família lá entrou. Contra o que era normal nem vestiu o pijama deitando-se totalmente nu.

Aquele nega de uma das raparigas tinha-o deixado mesmo ressabiado e ou porque pensava nela ou porque estava nu e o pirilau roçando no quente dos lenções foi-se levantando. Deu voltas e mais voltas na cama até que ficou encostado ao cuzinho do nosso amigo Fernando que se mexeu com aquele encosto e ainda voando pelos sonhos dos Deuses - que naquela noite também estavam dormindo não zelando por quele jovem - acordou somente quando sentiu as mãos do Luís a descer-lhe a calças do pijama e pouco a pouco penetrando-o com um dedo húmido tentando alargar o seu ânus. Fernando mexeu-se um pouco desconfortável e só ouvia o Luís dizer – vais ver que vais gostar. Ressabiado como estava o Luís não esteve com mais contemplações. Retirou o dedo do ânus do primo e não pouco a pouco mas de repente penetrou-o com o seu pénis. A fúria era tão grande que nem se preocupou se estava a aleijar o primo e logo se veio.

 - Não digas nada a ninguém do que se passou se não estás tramado.

 O Fernando naquela noite nada mais disse mas também não conseguia dormir o resto da noite. Não só por não entender o que se tinha passado mas também pela dor no ânus que se manteve até de manhã.

Aquele dia foi uma confusão para o Fernando.

Quando a mãe o veio acordar (já o Luís se tinha levantado para o emprego não se preocupando como tinha deixado o primo) queixou-se que não estava bem-disposto – a mãe só disse:

- Se queres ficar mais tempo na cama… Fica. - Não ligou mais e saiu para os seus afazeres-.

 

Fernando mais tarde lá foi à casa de banho fazer as necessidades que naquele dia foi mais complicado pois tinha mais algo de estranho a sair de si assim como algumas dores no acto da evacuação.

Foi um dia para esquecer. Pouco brincou e passou mais tempo na cama levantando-se somente para o almoço e mais tarde para o jantar.

Quando o Luís chegou a casa – veio mais tarde – dirigiu-se logo para o quarto e voltou a deitar-se novamente todo nu. Agarrou-se ao primo e segredou-lhe:

 

- Não contaste nada a ninguém?

- Não! Mas passei o dia na cama e tem-me doído o cú.

- Não te preocupes que isso vai passando com o tempo.

- Sim! Mas não me faças mais isso.

- Da próxima vez vais ver que vais gostar queres ver?

 

Então na posição de conchinha o Luís depois de lhe despir as calças de pijama e já com o seu pau hirto levou uma das mãos ao pirilau do puto e começou manuseando-o. Naturalmente o pequeno pirilau lá se foi levantando murchando de imediato quando voltou a sentir a verga do primo a penetra-lo novamente.

Com as ameaças normais de um pedófilo os dias e os anos foram passando. Não eram todas as noites mas a situação lá e foi prolongando até aos dez anos do Fernando que embora com medo nunca contasse aos pais o que se passava lá ia dando uma dicas à mãe, mas esta nem mesmo quando verificava uma certa sujidade nas cuecas do filho inclusive alguns laivos de sangue nunca entendeu ou não quis entender as dicas que o filho lhe ia dando pois o Luís para a família era o menino bem comportado, trabalhador e até tinha uma namorada.

 

II Capitulo

 

A família dos Fernandes durante aqueles cinco anos tinham conseguido alcandorar uma certa estabilidade económica, então arranjaram casa própria e para lá foram viver.

 Anos depois

 Tudo o que se tinha passado ente o Luís e o Fernando, para este, tinha ficado num baú de tristes recordações. Foi para uma escola nova. Conheceu novos amigos e amigas começando a namorar uma delas com quem acabou por casar aos dezanove anos.

Quanto ao Luís ao que consta… meteu-se por maus caminhos mas também acabou por casar e ninguém mais lhe pôs a vista em cima.

O nosso amigo Fernando lá foi fazendo a sua vida normal de heterossexual. Teve dois filhos e uma vida bastante confortável de tal forma que era hábito haverem grandes festas em sua casa.

Por volta dos seus trinta anos numa das festas que deu em sua casa quando todos saíram inclusive a mulher que foi levar os sogros a casa e os filhos que desceram para o andar debaixo onde moravam outros amigos para experimentarem novos jogos no computador, Fernando ficou sozinho com o João. Moço de vinte e tal anos e aparentemente grande garanhão pois andava sempre rodeado de mulheres bonitas.

Cada um com seu copo de whisky sentaram-se num sofá frente à televisão vendo um filme daqueles de bolinha. Quando o protagonista leva sua dama para a cama já quase desnudos, eis que Fernando sente uma das mãos do João apertar-lhe a perna ao mesmo tempo que com a outra vai-lhe abrindo a braguilha e retirando-lhe o pénis cá para fora. Fernando ficou estático e sem saber o que fazer. Pior ainda ficou quando o amigo João se ajoelhou e abocanhou-lhe o pénis num tremendo broxe vindo-se na boca daquele garanhão.

 

- Gostas-te?.. - Perguntou João.

Fernando ainda mal refeito de tudo o que se tinha passado e um pouco confrangedor, respondeu.

 

- Nunca me tinham feito isto.

- Nem a tua mulher?

- Não! Com a minha mulher tudo o que se passa é normal.

- Não me digas que nunca lhe comeste o cú? Queres comer o meu?

 

Foi naquele momento que lhe veio à lembrança o que se tinha passado na sua meninice e respondeu:

 

- Se o quiseres.

- Podemos combinar para outro dia. Hoje já nos viemos e seria difícil.

 

Foi com esta situação que João e Fernando mais tarde se tornaram amigos íntimos.

Durante a semana seguinte àquele acontecimento as coisas entre o Fernando e a mulher passaram a não serem normais sexualmente. Fernando quando se deitava vinha-lhe à lembrança não só o que lhe tinha acontecido durante cinco anos como mais tarde com o João. Chegou por duas vezes tentar praticar sexo com a mulher de outras formas que não as habituais, mas ela desculpava-se sempre estar com dores de cabeça – O que é normal nas mulheres quando não estão para ai viradas.

Em uma sexta-feira João telefonou ao Fernando dizendo que tinha de ir ao Algarve tratar de um assunto urgente profissionalmente e tinha o carro avariado e se ele não se importava de o levar lá.

Fernando depois de falar com a mulher, esta aceitou que ele fosse sozinho pois aproveitava passar o fim-de-semana com a mãe.

Quando chegaram ao hotel Fernando achou estranho o quarto já estar marcado e ser somente um, mas não ligou. Como chegaram já tarde e tinham jantado pelo caminho depois de depositarem as malas, foram até ao bar tomar uns copos e foi a oportunidade de Fernando interpelar João sobre a razão específica daquele fim-de-semana.

 

- Afinal ainda não me disseste qual a urgência de trabalho que não podes-te esperar pela reparação do teu carro.

- Das duas, uma! Ou és parvo ou já te esqueceste da minha promessa.

- Mas qual promessa?

- Naquele fim de tarde em tua casa perguntei-te se me queria comer o cú e disseste que sim.

- Se bem me lembro, ofereci-me porque te predispuseste.

- Pois sim! E não ficaste aguardando a oportunidade?

- Já homem nunca o fiz.

- Quer dizer que já experimentaste quando eras puto?

- Não foi bem assim. Fui abusado sexualmente por um primo quando tinha cinco anos e essa situação durou até aos dez anos.

- E nesse período nunca o comeste a ele? Só tu é que eras comido?

- Sempre fui comido e sempre de doeu. Ele nunca me deixou fazer ao contrário.

- Com a tua mulher já disseste que também não.

- Depois da nossa relação tentei mas ela desculpava-se sempre com as dores de cabeça e nunca deixou.

- Mas tu gostavas?

- Creio que sim.

- Não achas que chegou a altura?

- E vai ser contigo?

- Tenho por lema “na cama não há programa” e desde que te conheci que esse momento nunca deixou de sair do meu pensamento.

- Foi por isso que inventaste este fim-de-semana?

- Não estás a gostar?

- Essa coisa de dizeres que “na cama não há programa” é que me deixa um pouco preocupado. Quando me lembro da minha juventude parece que ainda me dói o cú.

- Não tenhas receio que já somos homens conscientes e sabemos o que fazemos.

 

Foi com esta deixa que tomaram mais um copo e seguiram para o quarto.

 

Creio que o João já era habitué naquele hotel, não só porque o quarto já estava marcado como era um quarto de casal, ou seja, com uma só cama. Foi um pouco confuso e mais ainda quando bateram à porta. João foi abrir: Era um empregado com um carrinho se serviço com uns aperitivos e um balde de gelo com uma garrafa de champanha. Afinal estava tudo previsto.

 

- Não vais tomar um duche? – perguntou o João.

- Já agora! Para refrescar as memórias. – Fernando entrou no chuveiro.

 

João despiu-se, agarrou na garrafa de champanhe e entrou também no chuveiro.

Fernando com os seus trinta anos nunca jamais tinha pensado que algo assim lhe iria acontecer. A água morna do chuveiro já corria pelo seu corpo quando João entrou desligou a água e despejou o champanhe pela cabeça abaixo do Fernando ao mesmo tempo que se juntava a ele de corpo a corpo. Roçaram-se e seus paus começaram a levantar-se gladiando-se. Foi a vez de João começar a beija-lo começando na boca, depois os bíceps e mais a baixo metendo na boca o pénis do Fernando que gania baixinho de prazer. O champanhe acabou por secar já misturados com os espermatozóides que saiam em catadupa de ambos os pirilaus. Foi a vez de um deles abrir a torneira do chuveiro de onde jurou fortemente a água morna que os lavou. Sem quaisquer palavas ali ficaram durante alguns minutos desta vez cheios de gel de banho.

 

Estava a resposta ao dito do João “na cama não há programa”. Por enquanto não tinha sido na cama mas tinham sido os preliminares para um resto de noite, cheia de felicidade.

 

Adormeceram na cama envoltos nos toalhões onde se tinham envolvido a quando da saída do duche.

De repente o sol entrou janelão dentro com a força da manhã, acordando-os. Miraram-se. Os toalhões já tinham resvalado de seus corpos que se apresentavam nus. Beijaram-se e o pirilau do João foi o primeiro a levantar-se. Num acto de habilidade João fez com que Fernando ficasse com o traseiro na sua frente e tentou penetra-lo. NÃO! Gritou baixinho ao mesmo tempo que colocava uma mão entre a cabeça do pirilau do João e a entrada do seu cuzinho, lembrando-se da dor que lhe iria causar.

 

- Não queres? – perguntou João.

- Não é que não queira mas creio que ainda estou traumatizado. Podemos fazer ao contrário?

 

João não teve outro remédio senão parar com o seu intento e colocou-o deitado de barriga para cima, manuseando freneticamente o pénis do amigo que de imediato começou a levantar-se. Então abrindo as pernas sentou-se naquele pau já hirto e firme. Não sendo novidade para ele foi fácil ser penetrado cavalgando como corcel num sobe e desse.

Fernando estava doido de prazer. Afinal tinha descoberto que era aquilo que lhe dava mais prazer. Ambos se movimentaram até que com a ajuda da masturbação que Fernando lhe ia fazendo ambos se vieram convulsivamente.

Acabaram novamente por adormecer agarrados de conchinha ficando as costas do Fernando de concha com o peito de João.

João jovem de vinte e poucos anos, cheio de testosterona pouco dormiu pois só pensava na forma de comer o cú ao amigo. “Tem de ser comum certo carinho e com alguma paciência” pensava ele.

 

Naquela noite nada mais se passou. O pequeno-almoço passou para outro dia e só desceram para a refeição do almoço. Da parte da tarde fizeram um pouco de piscina do hotel e mais tarde antes de subirem para o quarto solicitaram na recepção para serem servidos do jantar no quarto.

 

Uma noite perfeita

 

Tudo para o Fernando estava a ser novidade e pensava “Como será possível que até aos trinta anos não tenha encontrado o prazer da cama e da boa vida?”. Foi até à varanda e desfrutando da bela paisagem e do mar lá ao fundo voltava aos seus dilemas “Encontrar-se naqueles aposentos rodeado de requintes de bom gosto e de um carinho de um jovem como nunca tinha sentido, nem da sua mulher, pensava ter a obrigação de dar ao João também aquilo que ele queria. Sabia que lhe iria custar mas ele era tão carinhoso consigo que talvez não doesse tanto”

Estava nestes pensamentos quando João aproximou-se dele pelas costas o abraçou, beijou-lhe um lóbulo da relha e segredou-lhe.

 

- E se fossemos para a cama antes de vir o jantar?

Fernando deixou-se levar e como ainda estavam com os calções de praia, foi fácil tirá-los e abraçaram-se com a maior das ternuras.

 

- Era teu grande desejo comeres-me o cú? – perguntou Fernando.

- Se não quiseres não o fazemos. Mas seria bom já que nada mais é do que me fizeste.

- Se o fizeres com calma posso tentar. Era muito jovem quando isso me aconteceu e sempre me doeu e fiquei traumatizado.

- Isso aconteceu porque foste forçado e o pénis do gajo devia ser grande o que não acontece com o meu que é mais trabalhador do que grande.

 

Esta conversa estava a dar-se misturada com alguns carinhos recebidos pelo João que apear de novo sabia toda e era um expert na matéria sabendo levar a água ao moinho.

Nos entretantos já João tinha aberto as pernas ao Fernando e colocado por trás dele. Sendo um rapas já habituado a estas coisas e sempre prevenido pegou num gele de lubrificação. Que tinha levado às escondidas próprio para estas ocasiões e lubrificou-lhe o ânus e o seu próprio pénis. Depois, ao mesmo tempo que lhe beijava as costas e o punhetava, lá ia lentamente tentando penetrá-lo. Primeiro a cabecita e depois todo o resto do tronco. Fernando movimentou-se “grunhi-o” um pouco e João perguntou:

 

- Estou a fazer-te doer?

- Não!

- Então não é bom?  

- Por enquanto não estou a sentir nada.

 

Então João resolveu a situação. Ao mesmo tempo que se movimentava num vai e vem constante com o mesmo ritmo foi masturbando o Fernando até que ambos se vieram ao mesmo tempo com grande alarido de prazer.

 

“Diz-se que os coelhos quando do acto sexual quando satisfeitos grunhem e caiem para o lado”.

Foi o que aconteceu aos dois e não adormeceram, pois bateram à porta com a informação que vinham servir o jantar.

 

Na noite e no dia seguinte tudo se repetiu até à hora de voltarem para Lisboa.

A relação entre ambos não voltou a ser a mesma do antes daquele fim-de-semana. Fernando passava mais tempo em casa do João do que na sua própria casa até que um dia sem mais explicações à família, Fernando mudou-se de “armas e bagagens” para casa do amante, pedindo o divórcio à mulher.

 

Aquela relação durou cinco anos até que João encontrou outro parceiro da sua idade e Fernando já divorciado foi viver sozinho. Hoje já entrando na casa dos “cotas” é-lhe difícil encontrar outro João carinhoso e com posses económicas para lhe dar o bem-estar com que se habituou naqueles cinco anos.

O tempo foi passando e como hoje já nada é do que antigamente, vai gozando a vida o melhor possível, pois um cú não aparece ali ao virar da esquina e ele sente-se mais confortável como activo embora diga que não, mesmo traumatizado quando calha não diz que não a um bom caralho.

Fim

História escrita com base em factos reais

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

         Nelson Camacho D’Magoito

   “Contos ao sabor da imaginação”

         Para maiores de 18 anos

           © Nelson Camacho
2014 (ao abrigo do código do direito de autor)

sinto-me:
publicado por nelson camacho às 23:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eles eram dois – I Capítu...

. Eles eram dois – II Capit...

. Menino rico e menino pobr...

. A Masturbação

. Até quando homofóbico – I...

. A Minha prenda de Natal –...

. A Minha prenda de Natal –...

. O meu primo de Lisboa

. Não beijo!.. e você já be...

. Os Motas – II Capitulo

.arquivos

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.Já cá vieste!

counter

.Olha que está na hora

relojes web gratis

.ALERTA - Aos amigos que me lêem

Este Blogue é constituido por histórias Homo-Eróticas dedicadas a MAIORES de 18 anos. Os homossexuais também têm sentimentos, sofrem, amam e gozam a vida como qualquer outro sejam activos, passivos ou Flex (versátil). As fotos e videos aqui apresentadas foram capturadas da internet livres de copyrigt. Quanto aos textos, são de minha inteira responsabilidade ©. Não faça copy sem mencionar a sua origem. Tenham uma boa leitura e não se esqueça que o geral ultrapassa a ficção. Comente dem medos e não tenha preconceitos.
blogs SAPO

.subscrever feeds