.Art.13º, n.º da Constituição

"Ninguém pode ser privilegiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça,língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual"

Terça-feira, 18 de Junho de 2013

Santo António em minha casa

Santo Antonio Boy

     Ontem ganhou Alfama as marchas de Santo António em Lisboa.

     Hoje ganhei eu um Santo António em minha casa no Magoito.

 

     Ontem foi noite de festa para milhares de pessoas pelos bairros típicos de Lisboa. Começámos na avenida da  liberdade fomos para os nossos bairros comer sardinhas, bailar e embebedar-nos.

 

     Foi este o percurso da maioria dos festejastes do Santo. Foi esquecida a crise e lá saíram muitos milhares de euros dos bolsos das gentes, mesmo com a sardinha a Euro e meio cada uma.

 

     "O Coelho esqueceu-se de mandar a ASAE fiscalizar as condições de higiene e das facturas. AINDA BEM!"

 

     Eu pela minha parte como andava só, Quando acabaram as marchas na avenida, percorri Alfama, Madragoa, Bica e Bairro Alto. Às seis ma manhã, meti-me na IC19 e vim para casa só, conforme tinha ido.

 

     Dormi pouco! Acordei por volta das dez, tomei um duche e fui como a maioria do pessoal, aproveitando o feriado que o Coelho não cortou e fui até à praia. Estava uma seca. Nevoeiro e vento. Aqui no Magoito é sempre uma seca. Ainda me lembrei de ir até à Costa, mas como não tinha companhia voltei para casa.

 

     Passei pelo super mercado, comprei sardinhas, salada e batatas para o repasto do almoço.

 

     Fui até ao quintal acendi o fogão e pus as batatas a cozer. Acendi a churrasqueira e comecei a assar meia dúzia de sardinhas.

 

     É preciso ter pachorra para fazer isto sozinho, mas como todos nós temos um pouco de loucura, mesmo só, de vez em quando faço isto.

 

     Quando fui buscar vinagre para a salada, ele não estava lá, desci as escadas e fui até à mercearia comprar o néctar que faz sempre falta numa salada.

 

     Vinha já da mercearia com o vinagre, quando dois moços - por acaso bem-apessoados - saiam de um carro, cumprimentaram-me e um deles que depois de olhar bem para ele vi ser cá do sítio me disse:

        - Que cheirinho de sardinha assada vem do seu quintal.

        - É verdade! Só tenho pena é de não ter companhia. – Queixei-me.

        - Lá por isso nós fazemos companhia, a praia está uma seca e nós íamos à procura do almoço.

 

     Não sou de meter em casa quem não conheço, mas pelo menos um, sabia quem era. Era meu vizinho e conhecia os pais por frequentarmos o mesmo café, convidei-os para a sardinhada que estava no lume e já deviam estar prontas.

 

     O Mário e o Pedro (nomes fictícios) quando iam entrando o Pedro lembrou-se que tinham umas cervejas no carro e foi busca-las ao mesmo tempo que dizia. – Pelo menos levamos alguma coisa.

 

     Assim que entramos no quintal já as sardinhas que tinha deixado assar, estavam boas, mas eram poucas para os três.

     O Pedro que é o mais despachado perguntou: - Não tens mais?

        - Sim, comprei duas dúzias, deve chegar, estão na cozinha.

     Pedro logo as foi buscar. Na volta comentou:

        - Tens uma casa gira. Desculpa lá mas dei uma olhada aos vídeos e vi que tens uns que podemos ver?

    

     O que o Pedro tinha visto eram uns porno que estavam mesmo à mão. Concordei mas para depois das sardinhas.

 

serveja com sardinhas e kiss boy

    Aquela almoçarada estava a correu às mil maravilhas. Sardinha, batata cozida, salada de pimentos vinho e cerveja.

    Como o meu quintal está resguardado de olhares estranhos, pois está totalmente vedado e o sol estava abrasador os três fizemos uma festa com música à mistura. Até nos despirmos como se estivéssemos numa Boate livre de preconceitos.

     Fizemos umas misturas de bebidas e nem mesmo assim, quando o sol começou a ficar mais baixo lá no horizonte o tempo começou a esfriar o Mário vestiu uma t-shirt  e foi para a sala.

     O Pedro comentou:

        - O gajo é um tipo porreiro mas nunca alinhou nestas coisas.

        - Mas que coisas? Comentei.

        - Ele anda sempre a dizer que gosta muito de mulheres, mas não lhe conheço nenhuma namorada.

        - E Tu?

        - Eu gosto de curtir e ver uns filmes de gajos.

        - Desculpa lá mas não entendi bem. Criticas o Mário de andar a dizer sempre que gosta muito de mulheres e tu gostas de ver filmes de gays. Qual é a tua? Já tiveste experiencias homossexuais?

        - Não mas gostava de ter!

        - Já agora diz-me porque desabafas isso comigo?

        - Uma noite fui ao Finalmente com uns colegas e vi-te lá aos beijinhos com um gajo. Nunca disse a ninguém que te conhecia como vizinho, mas fiquei de olho em ti.

 

     “Aquele Pedro afinal sabia-a toda, só lhe faltava experiência. Lembro-me de uma vez lhe ter dado boleia da praia até aqui ao sítio. Também eu fiquei com olho nele, mas como “Santos ao pé da porta não fazem milagres” nunca me tinha metido com ele. Naquele dia ia ter a minha oportunidade. De repente lembrei-me “Porra! Mas são dois! Que se foda! Ainda os vou por a mamar-nos”

 

        - Fizeste bem. Hoje quero ver quem vai ser o Santo António, vamos atacar o Mário?

        - Como tens mais experiencia, vamos ver um filme e tu ficas no meio. Tá bem? – retorqui o Pedro.

 

     Encostei-o ao balcão do bar do quintal, segurei-o pelas ancas encostamos nossos corpos e beijei-o.

        - Foi isto que viste no Finalmente? Gostaste?

        - Ao vivo é muito melhor – disse ele, beijando-me sofregamente.

 

     “ A coisa estava a andar bem, vestimos as t-shirts e fomos para a sala. Coloquei um DVD porno Gay no vídeo e sentámo-nos, comigo ao meio como o Pedro tinha pedido. “

Encontro de rapazes

     Mal começo a rodar o filme e vendo do que se tratava o Mário, perguntou se não havia gajas.

        - Tás a ver? O gajo só pensa em gajas. – atirou o Pedro

        - Eu já vejo se é mesmo assim! Vamos lá ver! Mostra-me o teu aparelho. – disse eu metendo a mão nos boxers do Mário.

 

     O chavalo já estava de pau feito e tirei-o cá para fora.

   


Posto isto só havia uma situação a fazer. Foi nos despirmos.

 

Quando o ménage á troi começou

     Afinal estavam os dois com vontade de experimentarem o meu e lá foram lampeiros direitos ao meu pau que já se encontrava pronto para a farra de santo António.

 

     Como dono da casa e porque gosto de receber bem as visitas, ajudei a despirem-se e ficámos núzinhos como manda a tradição.

 

     Comecei por beijar o corpo de um e fui até ao Mário que ainda não tinha beijado na boca. A reacção foi de total consentimento (outra coisa não seria de esperar pois eu sou o melhor beijoqueiro que se pode encontrar). Ao mesmo tempo o Pedro friccionava-me as costas com as pontas dos dedos. Ao mesmo tempo que largava os lábios do Mário iniciando o percurso até aquela gaita linda, de fava descoberta e mordendo o prepúcio, ia-me curvando para que o Pedro percebe-se que tinha o caminho aberto para me penetrar, mas ele coitado não sabia ainda como era. Virei-me e fiz o mesmo com ele ao mesmo tempo que tentei por os dois beijando-se.

     Aquela porra não estava a dar nada a não ser umas brincadeiras de adolescentes e resolvi.

        - Vamos para cama. Sempre estamos mais à vontade.

 

     "Ali sim! Começámos por nos beijar reciprocamente"

 

     Eles já se beijavam mutuamente enquanto eu ia-me dividindo em num e noutro pénis saborosos como quem chupa num “Corneto” (nisto também sou do melhor que há. Então em virgens ainda melhor) eles já ganiam de prazer e eu há rasca para não me vir.


     A balbúrdia estava já de tal maneira que acabamos por ficar em pleno 69.

 

ménage á troi au 69

   Para outras variantes, foi um passo

 

     Um bom professor tem sempre que dar o exemplo! Então não tive outro remédio. Fiz tudo para o Pedro me penetrar. Enquanto penetrava o Mário que só falava de mulheres, depois de lubrificar o seu cuzinho, o meu aparelho lá foi delicadamente penetrando aquele cú virgem. Ao princípio ganiu um pouco mas quando comecei num vai e vem constante ao mesmo tempo que o Pedro me fazia o mesmo foi um delírio total. João estava tão louco que puxou minhas mãos até ao seu pénis para o masturbar. Quanto ao Pedro, não foi necessário levar suas mãos até ao meu. Fê-lo por sua alta recriação.

 

     Estava-me movimentado tão rapidamente que o Pedro não aguentou o movimento e o seu pénis acabou por sair de dentro de mim. Foi a oportunidade para trocarmos de posições ficando o Pedro no meio e João imitando o lhe tinha feito, lubrificou o cú do Pedro penetrando-o enquanto eu levava mais uma vez com o do Pedro.

 

ménage à troi in copula

     Desta vez foi o fim da macacada e viemo-nos ao mesmo tempo, uns dentro outros fora.

 

     Afinal. O Pedro que andava morto por experimentar outras sexualidades, fez o gosto ao dedo, como quem diz, fez o gosto a uma nova forma de fazer sexo.

 

     Quanto ao João que andava sempre a dizer gostar de mulheres, passou a gostar também de homens.

 

     E Eu? Bem eu, mais uma vez fiz um Ménage à trois com virgens na sexualidade homo-erótico.

     Eu não tive a culpa! Eles é que me dasafiaram

 

     Voltamos a tomar uns copos, combinamos repetir a dose e guardar segredo, já que éramos vizinhos.

     Ás escodidas do Pedro combinei uma noite com o Mário, pois tinha umas contas a ajustar com ele. Detesto gajos que dizem gostar muito de mulheres e na volta são os piores.

 

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência. O geral ultrapassa a ficção.

As fotos aqui apresentadas são livres de copyright e retiradas da Net.

 

      Nelson Camacho D’Magoito

    “Contos ao sabor da imaginação”

           de Nelson Camacho

sinto-me: e livre sem preconceitos
publicado por nelson camacho às 17:05
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2012

O Menino do Kamasutra - parte II

kamasutra homo

    O dia tinha sido melhor que normalmente, não só porque o casting correu na melhor como o resultado foi ter conseguido uma participação em um filme estrangeiro que iriam filmar aqui em Portugal.

    Durante todo o dia passei-o eufórico. Decorei o texto pedido em três tempos, o meu visual brilhou como não acontecia há muito de tal forma que o meu agente até ficou admirado perguntando-me a certa altura:

      - Epá! O se passa contigo? Hoje sim! Estás o verdadeiro actor.

      - Nada de especial. Disse eu.

      - Não! Não me enganas. Algo se passa contigo hoje de diferente.

      - Hoje não se passou nada, mas ontem sim! Conheci um novo amor por quem passei uma noite espectacular e fiquei apaixonado.

      - Sim! Eu sei o que isso é! Passarinho novo, danos sempre força para o trabalho.

      - E para a vida! Retorqui eu.

    Já tínhamos acabado o dia, já tinha assinado o contrato, bebemos uns copos e pirei-me dali para fora pois o que queria era chegar a casa do Jorge o mais depressa possível.

O meu Honda - Nelson Camacho

    Montei-me no carrito e lá fui estrada fora.

    Para sair de Lisboa foi um problema até conseguir entrar na IC19 como sempre àquela hora mesmo com um carrito mais potente que os restantes que por ali circulavam foi difícil chegar a casa, mas cheguei.

    Tomei um duche apressadamente, perfumei-me todos, vesti-me tipo casual, peguei numa garrafa de vinho de Reguengos reserva e lá fui até casa do Jorge.

    As luzes da vivenda estavam acesas o que queria dizer que os pais dele já estavam em casa mas como ele me tinha recomendado se isso acontecesse não ligasse e fosse direito ao anexo onde ele vivia, deixei o carro no passeio. Como o portão era automático e estava fechado liguei-lhe para o telemóvel. Ele atendeu:

      - Sim! Quem é?

      - Sou eu o João! Já aqui estou!

      - Ok! A porta vai-se abrir e podes entrar. Entra com o carro. Não o deixes ai na rua.

      - E teus pais?

      - Não faz mal, arrua-o à minha porta mesmo que eles queiram sair, têm bastante espaço

    Ouvi ou estalido forte no portão e este automaticamente foi-se abrindo e eu lá entrei.

 

Um amigo

    A porta do anexo abriu-se na totalidade e de dentro saiu aquela coisa com quem todo o dia tinha sonhado voltar a estar.

      - Então como foi o teu dia?

      - Se queres que seja sincero, em questão a trabalho, há muito que não corria tão bem. Não tive lapsos de memória, fiz um casting espectacular e assinei um contrato para participação num filme francês que estão a filmar aqui em Portugal mais propriamente dito em Alfama ao que parece a zona é ideal para algumas cenas mas se queres saber a verdade estava desejoso de acabar o dia para voltar a estar junto a ti.

      - Mentira!

      - A sério! O meu agente até notou que estava diferente. E tu! O que fizeste?

      - Estive a ouvir musica, a acabar de ler um livro “À Espera de um milagre”.de Stephen King. Para o fim, fui para a cozinha e fiz o nosso jantar.

      -Também já li esse livro e vi o filme que é espectacular. Mas tu sabes cozinhar?

      - Alem de outras coisas, e também pus a mesa.

    Enquanto se estava a passar esta conversa íamo-nos encaminhando para dentro de casa.

    Jorge pegou na garrafa que eu tinha levado, foi coloca-la na mesa que estava decorada com duas velas e no centro uma jarra com duas rosas vermelhas.

    Ajudou-me a despir o blusão, beijamo-nos e sem largarmos nossas bocas encaminhamo-nos para um grande sofá.

 

 

Sexo Gay no sofá

    Estava a dar-se a continuação do que ficou a meio naquela manhã.

    Nem a fome nem o jantar pronto à nossa espera fez com que mesmo ali no sofá ternamente nos acariciássemos com beijos e outras carícias próprias da altura.

    Nossas mãos percorreram nossos corpos até aos paus hirtos e quase expulsando aquela treta lânguida branca e saborosa que já tínhamos provado mas que voltamos a beijar cada um por sua vez e voltamos a chupar.

    O Jorge de repente ajoelha-se mete meu pau em sua boca manuseando-o num vai e vem frenético até que retirando e olhando para mim solicita:

      - Deixa-me sentar em tua gaita.

    Mesmo ali no sofá peguei nele ao colo e sentei-o na forma mais suave possível para que o meu pau começasse a penetrar naquele cuzinho apertadinho.

    Gemeu um pouco e então para aliviar a pressão para além de movimentar-me suavemente ajudei o mais possível segurando suas ancas movimentando-as até meu pénis penetrar todo até às bolas.

      - Nunca tinha feito isto! – Disse o Jorge.

      - Há sempre uma primeira vez, eu já o faço há muito tempo e gosto.

      - Mas como estas a fazer ou como eu estou a levar com ele?

      - As duas coisas. Esta é uma boa iniciação, mas há outras.

      - Estou a gostar desta. Como é a outra.

   Com esta conversa da treta o Jorge ia movimentando-se para cima e para baixo, movimento que o meu pénis ia sentindo ser apertado cada vez mais. Estava quase a vir-me, mas fui aguentando, estava louco e de repente disse:

      - Vamos experimentar outra posição.

    Sem saber bem como, ele levantou-se da piroca e colocou-se na posição canina no método do Kamasutra.- Creio que ele já tinha visto esta posição em qualquer livro.

    Porque o ânus dele já estava lubrificado e aberto pela posição anterior não foi difícil penetra-lo até os meus tintins começarem a bater em sua nádegas ao mesmo tempo que ele se punhetava. Fui ajuda-lo com uma das minhas mãos e de repente senti o seu fluido em minha mão ao mesmo tempo que o meu percorria aquele canal virgem e apertadinho.

    Caímos cada um para seu lado no sofá cansados e livres daquelas porras cheias de espermatozóides.

    Ficamos por ali durante algum tempo até refazermos o que tínhamos perdido. Tinha sido uma loucura.

      - Ao que parece o jantar tem de ficar para mais logo. Disse o Jorge.

      - Pois, falta a sobremesa! Disse eu.

      - E qual é?

      - Se te aguentares à bombada, eu também quero! Disse eu ao mesmo tempo que começava a punhetá-lo de tal forma que sua piroca se começava a levantar e a inchar.

    Ele começou a fazer-me o mesmo e nos recomeçámos a beijar. Parecia que estávamos prontos para uma segunda ronda e sem darmos por isso estávamos deitados na carpete onde nossos corpos se começaram a envolver como se fosse a primeira vez.

 

copula entre gays

    Como o prometido é devido lá me coloquei em posição de elephant para lhe dar a sobremesa ou seja, como ele não tinha experiencia com uma das mãos agarrei no seu pirilau e apontei-o para o buraquito do meu cu que ele à ganância tentou penetrar rapidamente. Apertei um pouco e depois de ter entrado a cabecita fui-me movimentado para que a penetração fosse o mais suave possível. A pouco e pouco a penetração foi-se concretizando ao mesmo tempo que ia sentindo aquele pau gostoso em todo o meu reto e seu peito junto as minhas costas, virei-me um pouco e nos beijamos. Estávamos ambos loucos de prazer. Ele movimentando-se permanentemente num vai e vem constante ajudado também pelo meu movimento. Mal ele começou punhetanto meu pénis com uma das mãos senti seu esperma fluir dentro de mim ao mesmo tempo que o meu esguichava contra a carpete. Ambos estremecemos de prazer e senti seu coração junto as minhas costas palpitando vorazmente. Não era só a sua tensão arterial que subira desalmadamente como a minha de tanto prazer sexual que tínhamos tido naquele momento inesquecível. E assim ficamos durante algum tempo até que a sua pila começou a murchar e com mais facilidade movimentei-me para que ela saísse dentro de mim. Voltamo-nos ficando frente a frente e nos beijando.

    Adormecemos um pouco. Quando acordamos já era mais de meia-noite. Abri os olhos e ele estava de olhos abertos olhando-me. Reparando que eu tinha acordado perguntou:

      - E agora? Nunca pensei que o sexo fosse tão bom! Achas que deixei de ser homem?

      - Que disparate! Pelo facto de termos relações não quer dizer que deixamos de ser o que sempre fomos.

      - Mas tu já és experiente nestas coisas!

      - Sim é verdade! Caso contrário nunca tinha feito o que fizemos. Gostas-te?

      - Adorei e fiquei com uma fome dos diabos.

      - É verdade! Esquecemo-nos do jantar, mas ainda vamos a tempo. Depois de um duche até nos vai saber melhor.

      - E depois?

      - Depois vamos para a cama e se tiveres forças, vamos repetir a dose.

    Foi o que aconteceu. Depois do duche, o jantar e uns copos fomo-nos deitar mas nas nossas cabeças a ideia de voltarmos ao mesmo estava patente.

    Há muito que não tinha um puto como aquele de dezanove anos e sedento de se vir constantemente.

    Naquela noite foi tudo repetido. Ambos nos penetramos, chupamos nossos pirilaus gostosos e nos beijamos. Fizemos promessas de amor e de continuarmos a ser amigos, até porque morávamos perto.

    Naquelas quarenta e oito horas tinha acontecido poesia sexual e o inicio de uma amizade por longos tempos. Não podia perder aquele puto já que tinha sido eu a primeiro na vida dele.

    Ele era de tal força que quando sai de manhã ainda perguntou:

      - Voltas logo à noite?

      - Sim! Mas não faças o jantar. Encomendamos uma pizza.

    E assim foi o que aconteceu e voltou a acontecer durante vários dias. Agora já não tanto porque também não somos de ferro e revezamo-nos, uns dias em casa dele, outras em minha casa e já lá vão seis meses.

     Esta passagem de ano vamos ao Casino de Lisboa, depois, vamos para casa fazer amor para começar bem o ano de 2013.

 

Nelson Camacho D’Magoito

           (O Caçador)

“Contos ao sabor da imaginação”

        de Nelson Camacho

 

sinto-me:
a música que estou a ouvir: Conserto para piano
publicado por nelson camacho às 05:17
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Santo António em minha ca...

. O Menino do Kamasutra - p...

.arquivos

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.ALERTA - Aos amigos que me lêem

Este Blogue é constituido por histórias Homo-Eróticas dedicadas a MAIORES de 18 anos. Os homossexuais também têm sentimentos, sofrem, amam e gozam a vida como qualquer outro sejam activos, passivos ou Flex (versátil). As fotos e videos aqui apresentadas foram capturadas da internet livres de copyrigt. Quanto aos textos, são de minha inteira responsabilidade ©. Não faça copy sem mencionar a sua origem. Tenham uma boa leitura e não se esqueça que o geral ultrapassa a ficção. Comente dem medos e não tenha preconceitos.
blogs SAPO

.subscrever feeds